CONTRADIÇÃO.

                                                    



Tudo aquilo que acontece com a gente são as coisas mais importantes do mundo, afinal foi com a gente e, nós somos a nossa melhor companhia.
No outro nós respeitamos a dor, a ausência, os desencontros e a isto chamamos solidariedade, mas em nós,sentimos,vivenciamos,
curtimos cada minuto das coisas que dilaceram, apoquentam, colocam à prova nossa coragem, insultam a ordem natural da felicidade que lutamos para preservar, por esta razão quando é com a gente o buraco é muito mais embaixo!
Nada mais humano, natural do que este cheiro absoluto e definitivamente atávico de sobrevivência e que, nos instiga à luta, mexe e remexe tudo por dentro, e na escuridão daqueles momentâneos sofrimentos nos leva a acendermos os nossos derradeiros e poderosos refletores.
Eles irão consumir a energia estocada em nós e com a qual responderemos à altura as agressões que a vida nos faz.
Ilumina-se então o novo palco da vida no qual colocaremos todos os nossos personagens e seus textos elaborados durante todos os anos, até chegarmos ali.
E musica também, tem! E tem balé mágico com sapatilhas douradas, contrariando as brancas de sempre, afinal agora é tudo ou nada, sem mesmices!
De repente a platéia se levanta. Aplausos demorados. Alguém nas cadeiras do meio grita: Bravo!
Pronto ganhamos mais uma, é a volta por cima, encontramos as forças necessárias, nem demos a menor bola para o azar, viramos a cara e definitivamente para o destino, fizemos a curva, encontramos o atalho, desempenho grandioso, digno de um grande final do majestoso Cirque du Soleil e, ainda não foi a vez da encenação final da morte do cisne.
Essa retomada das forças vitais, do controle que podemos exercer sobre as agressões inevitáveis da vida ao passar dos anos das nossas existências, por mais contraditório que possa parecer, nos vem dos exemplos que identificamos e refletimos sobre aquilo que os outros estão passando,sofrendo, e convivendo.
É olhando para frente que buscamos novos amanhãs nos horizontes da vida, porém nunca duvide que é olhando para o lado que vemos os mais definitivos exemplos.
Olhar para o lado está muito mais próximo, a distância é muito menor, ficamos cara a cara com a verdade, descobrimos que é da fraqueza que o outro padece que, nos fortalece a combatividade.
É no outro e suas mazelas que, as nossas encontram o diálogo certo para temos conosco mesmos, e assim, verificarmos que, se em nós as dores são sempre as mais importantes e não nos outros, mas é na deles que renascemos em lúcidas transcendências para continuarmos de pé.
É exatamente, como se todos os dias vivêssemos reclamando que não temos muitos sapatos e ao olhar para o lado víssemos que,o outro não tinha as pernas. 

NATAL DOS TEMPOS QUE O SORVETE ERA CHICABOM !






SIMBOLO DA TV TUPI QUANDO ELA FICAVA FORA DO AR

O mundo era preto e branco. Dont be cruel, é com Elvis Presly. Copacabana vazia e João Gilberto cantando "Ho-ba-la-la".


Nara, Boscoli e Litlle Richard.Carros pretos importados. Cadillac o mais extravagante, bonito e sensual carro já fabricado no mundo. De preferência conversível, tipo Eldorado Biarritz, o sedan 62 DeVille, o outro sedan Fleetwood sixty Special. Estes carros estavam em perfeito estado, até o inicio da década de 80. A Chevrolet em 69 lançou um “carrinho” fantástico: Camaro ZL1 duas portas e laterais cromadas.

 Maiôs eram bem comportados.A mulheres faziam permanentes nos cabelos.Só me lembro muito vagamente...

Bob Dilan e Mr.Tambourine man.

Coisa mais bonita é você assim...
Tijuca é o Alto da Boa Vista. Porém,sou mais o Grajaú.Afinal todas elas moravam lá.Carlos Lyra toma carona de bonde.Só andávamos nos estribos.Coisa de adulto.

Heartbreak Hotel é de 56. Eu era muito miudinho. Mas, já escutava Elvis Presley. E Rock around the clock, com Bill Halley and His Comets. Bem aí eu estava quase nascendo para o mundo. Quebrando o cinema carioca, na tijuca. Nas matinês.

 E para baratinar mais ainda minha cabeça, lá vem: E Deus criou a Mulher. Brigite Bardot a inspiradora dos meus primeiros e solitários prazeres. Copacabana continuava vazia.

Os bondes eram superlotados. A vida tinha cheiro de flamboyant. E as lotações?Vieram antes ou depois. Depois é lógico.Será? Rua Nascimento Silva 107, apto 201, Tom volta para Copacabana. E eu também estou voltando no tempo.O ano? 1954. Eu ainda era miudinho. Só se nascia depois dos 18. Antes eram só espinhas.

 Nas ruas tinha uma árvore que dava umas frutas amarelas com uma “sica” danada. Não me lembro o nome. Agora lembrei: oiti. Mais tarde eu, e mais três amigos fizemos um conjunto de rock: The Four Bad. Um deles tocava violão e cantava, o resto era o coro. Então, eu era o resto.

 Menina só usava saia. Saia abaixo da canela. As saias subiram, muito mais tarde. Sei lá quando.Mais era o maior barato.Cada coxão! E Chuck Berry ainda não foi apresentado por quê? E com vocês: (não posso ser ingrato) Jerry Lee Lewis, cantava Great Balls of Fire. Mas é na música Only You  que ele faz o solo de piano mais bonito que já ouvi na minha vida. E olha que eu já ouvi muitos solos! Casou-se com uma sobrinha. A menina era quase uma recém-nascida. A carreira dele fez água. O conservadorismo norte-americano o destruiu, algumas vezes. E ele enchia a cara de álcool.

Elvis começou a tomar um monte comprimidos. Uns para dormir, outros para ficar acordado. Isto no final. Final de uma carreira incomum. Elvis Não morreu. Desculpe o lugar comum. Perfume? Deixe-me lembrar... Fácil: Lancaster, mais popular e Bond Street, este pegava mais pesado. Era mais caro. E a gente não colocava perfume. Tomava banho de perfume.Todas as meninas eram virgens.

E como se fazia sexo? Pela ordem? Então vamos lá: com as empregadas domésticas, prostitutas, uma ou outra - mais uma ou outra mesmo! - mulher que dava mole. E qual a mulher dava mole, naquela época? E as namoradas? Não gosto nem de lembrar. Que dor!  Era uma dor mais em baixo. Eu me despedia das minhas namoradas com uma dor latejante!

Baden Powel, Edu lobo, Elis Regina. Acho que estou misturando de novo. Valeu! Faz-se um belo suco de saudade, extraído nesta centrifuga do tempo. Dá para misturar à vontade. As roupas tinham muitos botões. Eu tinha uma camisa amarela que usava no conjunto de rock que era um sucesso. Os botões eram pretos. E eram muitos. O instrumento era o violão. Quem não tocava violão, estava aprendendo. Para tocar rock no violão era necessário saber apenas, uns quatro ou seis acordes e estávamos conversados. Quem complicou muito o violão foi a bossa-nova.

Aliás, a bossa nova - apesar de ter sido a música que encheu de sons, tudo de bom da minha vida - tinha alguns sérios problemas que nunca foram resolvidos. Quando as caras tocavam todo mundo tinha que prestar atenção. E sentados. Não se dançava bossa-nova como bossa nova. Quem tentou criar uma dança específica foi um bailarino americano chamado Lennie Dale e que, também cantava. Mas não pegou. As mulheres até que começaram a ensaiar. Mas os homens se consideravam muito machões e a coreografia da dança exigia que se desse umas reboladas. Afinal eu sou de uma época que poucos homens rebolavam. É verdade!


 Mulher trabalhava preferencialmente, como professora primária. Todo primeiro emprego do homem era como bancário. O que eu posso fazer. Quer que eu minta? Aí o mundo começou a entrar em outros tempos. Vieram os Beatles e um monte de gente atrás. E acabou, hoje dando nisso. Ouçam: o funk Espanhola - porque eu ainda não tenho coragem para escrever algumas poesias contemporâneas , como as da cantora Tati Quebra Barraco. Chega de saudade. Mas, a realidade, é que sem ela não sei viver.

QUANDO ME FIZ HOMEM, CHOVIA.





Lembro que, como um todo, meu corpo já não era mais o de uma criança.Agora já não preferia mais a exclusiva amizade de meninos.Queria as meninas,conversar e tocar nelas, sentindo a diferença da maciez da sua pele em relação a minha.De forma demorada percorria o contorno dos seus olhos, o volume daqueles cabelos,e fazia um ponto de parada obrigatória nas suas bocas.Isto me excitava.Impreterivelmente.Os lábios delas pareciam estar sempre,convidando os meus.Os via entreabertos e molhados.Era a boca  dos meus desejos.Ali começava o corpo de uma mulher.E tinha a certeza de que os desejava por impulsos incontroláveis de força interna que explodia,avermelhava meu rosto,queimava a ponta das minhas orelhas,acelerava minhas batidas cardíacas.Era tudo muito novo.E o novo amedronta.Minha vida agora seria diferente daquela que brincava sob o reinado infantil.Acabara minha inocência. Olhava para os ventres delas e pensava como nós tínhamos o poder.De nós dois, mas um viveria.Uma irresponsável euforia que me arremessaria sobre corpos ávidos daquilo que eu desejava, também.Era um adulto.Quando eu me fiz homem, chovia.Eram as minhas próprias lágrimas que molhavam o chão da minha vida.E escorregando aqui e ali,acabei conhecendo o amor de uma mulher.Era mais do que uma boca, um ventre.O amor de uma mulher seria a minha própria vida.Então morri muitas vezes.E sempre que renascia, nem me lembrava do tombo anterior.Assim foi e continua sendo até agora.Mas,neste momento,parece que não é só uma chuva que se aproxima,mas talvez as intensas águas de um derradeiro temporal.