UMA OUTRA VISÃO DO AMOR.


                                                                                   



Dos mais variados temas humanos um dos mais discutidos,relatados,analisados e pesquisados sob todas as formas possíveis é sem dúvida o amor. Este é um sentimento que nos dá vigor, rejuvenesce faz com que o mundo esteja dentro de nós e entre milhões de outros olhos os nossos só se concentram no alhar daquele que amamos, e entre milhões de outros corpos , nossos corpos só desejam aquele único que a maioria determina como sendo coisa da pele aquela atração única e insubstituível!
O amor é capaz de fantasiar,criar e  formatar irrealidades como esta que vou lhes narrar:U amigo me disse que estava amando e começou a descrever a sua amada.Começou pleos cabelos lindos ,negros,sedosos,passou para o nariz que segundo ele nem as mais belas romanas possuíam e descrevendo a boca da sua amada, desculpe mas, até eu tive vontade e com o maior respeito de beijar aqueles lábios descritos.A descrição do pescoço da mulher que ele tinha no coração parecia ter a beleza do Cristo Redentor e nada mais lindo e, muito mais do que o Pão de açúcar, eram os maravilhosos seios e perfeitos daquela mulher que o fazia tão feliz.
Quando começou a descrever o corpo ,as ancas, as coxas, os pés da mulher eu quase pedi para que ele parasse , pois afinal sou homem, minha testosterona está em níveis normais. Enfim,procurei ocultar a mais evidente das minhas reações instintivas e indesejáveis para aquele momento.

                                                                               


E meu amigo continuava  a falar agora dos modos gentis , educados,singelos  da forma amorosa que ela o tratava e sendo assim ele me confessava, sentia-se um rei das dinastias mais importantes da humanidade.Era incapaz de lhe dedicar uma palavra mais agressiva e sequer tinha ouvido da lindíssima boca da sua amada, nunca , jamais uma palavra mais áspera ou que o deixasse constrangido.
Repentinamente insinuou.
-Quer conhecê-la?
Não pensei duas vezes, para mim seria uma dádiva conhecer aquela deusa maravilhosa, educadíssima, o sonho de amor de qualquer homem e afinal, seria uma descortesia de minha parte,recusar tão prazerosa distinção.
-Sim,, quero é lógico, ficaria feliz em conhecer que uma mulher o faz tão feliz.
-Então vamos lá em casa, ela vai lhe oferecer com muita satisfação, um cafezinho.
-Ok, vamos! -disse entusiasmado.
Ao chegar lá ele Gritou na porta:
-Creusa, trouxe um amigo para lhe conhecer.
Lá de dentro ela respondeu:
-Fala mais baixo que o Craudinho está dorminho -Que maldade pensei, quase acordamos o filho.
E quando a porta se abriu, um dos espécimes mais horrorosos do gênero feminino se apresentou, com algumas faltas de dentes da frente, cabelo curto cortado quase a máquina zero,no máximo com um metro e cinquenta centímetros de altura,muito acima do peso normal (mais bota muito mesmo,pode exagerar nesta medida) e os pés com evidentes sinais que nunca tinha tido a assistência de uma pedóloga. Sabe aqueles calcanhares rachados? Então eram muito piores! Enfim uma lástima, enquanto realidade!
Ao vê-la,disse:
-Oi Creusa querida, trouxe um amigo para tomar um cafezinho conosco! - E aquela figura educadíssima disse:
-Pô porque não tomaram no botequim aqui da esquina, Que chatice! -Virou as costas sem sequer estender a mão para mim.
Ou seja, o amor é tão grandioso,transforma tudo e a todos com uma força e forma absolutamente indecifrável de coesão e indiscutível poder de agregar valores inexistentes que, os tornam tão verdadeiros como se estivéssemos vendo o amanhecer de cada dia e aquele  sol maior das nossas vidas!
Os olhos de quem ama recria a beleza que só ele e Deus, na realidade contemplam e, por esta razão e o sentimento mais divino colocado nos corações humanos.



A ARANHA E A BORBOLETA.

A ARANHA E A BORBOLETA.

                                                     .
                                                                    

                                                                 

Certa vez uma aranha conversava com a borboleta sobre a vida e os perigos que aqueles que nos cercam , eventualmente,podem nos causar.
A aranha dizia:
-Pois é querida borboletinha,precisamos ter cuidado com as abelhas.
-Ué, qual a razão?- pergunta a borboleta evidentemente, nervosa.
-Elas atacam em enxame e são poderosas e muito irritáveis.
-Nem sabia, obrigado.
-E qualquer desses pássaros vagabundos que andam voando por aí, de uma hora para outra podem com uma simples bicada, matar impiedosamente a gente.
-Nossa, chego a ficar arrepiada só de pensar
-Pois é ,precisamos muita cautela quando escolhemos nossas amizades, nunca se sabe...
-Estou ficando preocupada, amiga aranha, eu procuro ser boazinha com todo mundo, trato meus amiguinhos muito bem para evitar brigas e confusões, pois sou de paz.
-Borboleta, você é  adorável e gosto muito de você, destas suas asas lindas e coloridas, você pode voar,encanta a todos com sua graça,beleza, transmite tranquilidade, encantas até as crianças...
-Você também, aranha..


                                                             

-Não borboleta , eu sou detestada por todos,sempre pensam que sou violenta, que vou brigar,trazer problemas para todo mundo e sou muito diferente de você.
-Eu não acho, sou sua amiga, gosto muito de você e nem admito que ninguém fale mal de você perto de mim, pois a defendo sempre.
-Eu sei disse minha amiguinha.É por esta razão que preciso lhe falar uma coisa muito séria.
-O que aranha?
-Olha, querida tem um bicho por aqui querendo fazer uma maldade com você.
-É mesmo? Mas não faço mal a ninguém, quem é?
-Não posso falar alto, chega mais pertinho de mim,encosta seu corpinho na minha teia que vou falar bem baixinho no seu ouvido, quem é .
-Assim está bom?
-Está, borboletinha.A formiga saúva quer pegar você.
-É mesmo?
-Sim ela me falou, você precisa tomar muito cuidado.
-Chega mais pertinho borboleta que vou lhe dizer o que ela pensa em fazer com você.
-Mais perto ainda?
-Assim está bom ?
-Está.
-O que você está fazendo comigo, está me puxando para a sua teia e com essa cara de quem vai me fazer mal.Larga aranha, me larga somos amigas, lembra? Muito amigas. Não faça isso...

-Pois é borboleta,mas estou com muita fome e quando se trata da minha sobrevivência, são os que estão mais próximos que eu sempre devoro.

                                                     

27 comentários:

  1. Gostei dessa história, ninguém é tão amigo quando a necessidade aperta! Ainda mais duas espécies tão diferentes... fui lendo, mas desconfiada desde o início!!rss A conversa muito parecida com a dos humanoides!!
    Beijo, uma feliz semana, Paulo.
    ResponderExcluir
  2. TAIS LUSO,

    entre aranhas e borboletas os humanoides também, quando querem comem até a própria mãe (no sentido de passar pra trás e prejudicar).
    Quer que eu minta?
    Um abração carioca.
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, sim!!! Totalmente. Somos os piores animais!! rs
      Não será porque somos pensantes?
      bjs
      Excluir
  3. TAIS LUSO,

    é uma indagação muito pertinente.

    Um abração carioca.
    ResponderExcluir
  4. Pois é aqui estou, gostando muito de seus blogs, gosto principalmente de seu senso de humor e sutileza.
    Os animais matam quando têm fome, enquanto os seres chamados humanos, por prazer. Estou me excluindo destes :)...
    Abração e amei sua visita ao meu blog.
    Léah
    ResponderExcluir
  5. LÉAH, infelizmente não sei o que está acontecendo mas, não consigo ser seu seguidor e isso está acontecendo em outros blogues também.Tentei várias vezes! Poderia explicar a razão?
    Obrigado pela sua generosa visita.
    Um abração carioca.
    ResponderExcluir
  6. Boa noite Paulo, muito bem construída a sua fábula...
    Entre os animais, tal comportamento é plenamente normal. Porém entre seres humanos, a "animalidade" já não é mais aceitável. Não temos desculpa para agirmos como leões, aranhas ou serpentes, já que faz muito tempo que experimentamos o desabrochar da razão. Mas, enfim...do verme ao anjo, estamos todos num caminho pessoal e intransferível de evolução interior. Um feliz domingo!
    Bíndi e Ghost
    ResponderExcluir
  7. GHOST E BINDI

    Muito obrigado e devo comunicar que seu mai novo seguidor!!!

    Abração carioca.
    ResponderExcluir
  8. Olá Paulo! Muito obrigada pelo comentário no meu blog. Gostei muito do texto. Esses texto me fez lembrar de uma palestra sobre filosofia que estava vendo ontem. A palestrante em dado momento disse que tudo que acontece na natureza uma hora é repetida entre os seres humanos. Pois que muitos aprenderam bem com a Dona aranha. Infelizmente poucos estão do nosso lado nas horas pesadas. Cada um por si... Não estou conseguindo ser sua seguidora. Eu clico, clico , mas a janela abre com erro. :(
    Beijos,
    Monólogo de Julieta
    ResponderExcluir
    Respostas

    1. PALOMA VIRICIO,

      aperta a tecla F5, fica apertando pois, atualiza a pagina.Eu também tenho que fazer isso às vezes e dá certo!

      Obrigado pelo excelente comentário!

      Um abração carioca.
      Excluir
  9. Oi Paulo, gostei muito do texto, prendeu minha atenção do começo ao fim, coitadinha da borboleta, sabe eu sempre fico torcendo para que a presa escape, (risos) Tô seguindo este, depois vou conhecendo os outros blogs. Abraços e um feliz mês de julho.
    ResponderExcluir
  10. FÁTIMA OLIVEIRA,

    as pessoas de bem sempre torcem pelos mais fracos e sofredores,isto é um sinal de caráter solidariedade de vida!!!

    Um abração carioca.
    ResponderExcluir
  11. Olá, boa noite! Uma boa leitura, Paulo.
    Já estive por aqui, a convite seu, mas não me lembro em que data.
    Um abraço e ótima semana.
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MARIA GLORIA,

      volte sempre!!!

      Um abração carioca.
      Excluir
  12. Oeeeee…..grata por visitar meu blog e seguí-lo.
    Já seguindo por aqui também.
    Interessante e absolutamente igual ao ser humano na sua sobrevivência.

    Abraços

    Sonia
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SONIA FACION

      sobrevivência é sempre sobrevivência, concorda?

      Mas com ética é sempre melhor sobrevivência!

      Um abração carioca.
      Excluir
  13. Adorei a sua fábula.
    Bem que desconfiei desde o princípio, aranha tão gentil tinha que dar neste desfeixo.
    Abraço
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CANTINHO DA GAIATA,

      esta sua desconfiança segue aquela linha de atuação humana que diz que quando as coisas se tornam muito fáceis , devemos sempre desconfiar.

      Um abração carioca.
      Excluir
  14. Também gostei demais da fábula, aranha gentil é de se estranhar.Adorei!
    Abraços!
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PARAÍBA PARA O MUNDO,

      uma aranha gentil assemelha-se muito àquela parcela de políticos corruptos que sempre dizem que não sabiam de nada!

      Um abração carioca.
      Excluir
  15. Olá, Paulo
    Passei aqui por acaso e como vi entre seus seguidores alguns de meus amigos virtuais e seguidores, resolvi seguir-lhes o exemplo, e fiz-me sua seguidora.
    Gostei imenso desta história que, no fundo, retracta bem o que se passa entre os humanos, por vezes.
    Fazem-se muito amiguinhos mas já tendo em mente poder tirar proveito da situação.
    Assim é a Humanidade!
    Se quiser visitar meu blog e seguir-me... dar-me-á muito prazer.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS
    ResponderExcluir
  16. Oi, Paulo!

    Li seu convite em um blog parceiro que participo.
    Gostei do seu espaço (aliás, possui vários)!
    Essa fábula é bem pertinente a nossa realidade, na selva de concreto que vivemos!

    Beijos! =)
    Meu blog: http://nadinegranad.blogspot.com.br/
    ResponderExcluir
  17. NADINE GRANAD,

    obrigado pela presença.

    Mesmo!!!

    Um abração carioca.
    ResponderExcluir

  18. Essa história bonito, gostei mucho!!
    Obrigado por sua visita, eu continuar a visitar as suas publicações, sim!!
    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ESPERANZA,

      volte sempre.

      Um abração carioca.
      Excluir
  19. Obrigada pela sua visita, tb já sou sua seguidora.
    ResponderExcluir
  20. ARTES DA VELHA,

    espero por você aqui sempre!

    Um abração carioca.
    ResponderExcluir

POSTAGEM EM DOSE DUPLA



                                                                 

A ARANHA E A BORBOLETA.

                                                     .
                                                                    

                                                               

Certa vez uma aranha conversava com a borboleta sobre a vida e os perigos que aqueles que nos cercam , eventualmente,podem nos causar.
A aranha dizia:
-Pois é querida borboletinha,precisamos ter cuidado com as abelhas.
-Ué, qual a razão?- pergunta a borboleta evidentemente, nervosa.
-Elas atacam em enxame e são poderosas e muito irritáveis.
-Nem sabia, obrigado.
-E qualquer desses pássaros vagabundos que andam voando por aí, de uma hora para outra podem com uma simples bicada, matar impiedosamente a gente.
-Nossa, chego a ficar arrepiada só de pensar
-Pois é ,precisamos muita cautela quando escolhemos nossas amizades, nunca se sabe...
-Estou ficando preocupada, amiga aranha, eu procuro ser boazinha com todo mundo, trato meus amiguinhos muito bem para evitar brigas e confusões, pois sou de paz.
-Borboleta, você é  adorável e gosto muito de você, destas suas asas lindas e coloridas, você pode voar,encanta a todos com sua graça,beleza, transmite tranquilidade, encantas até as crianças...
-Você também, aranha..


                                                             

-Não borboleta , eu sou detestada por todos,sempre pensam que sou violenta, que vou brigar,trazer problemas para todo mundo e sou muito diferente de você.
-Eu não acho, sou sua amiga, gosto muito de você e nem admito que ninguém fale mal de você perto de mim, pois a defendo sempre.
-Eu sei disse minha amiguinha.É por esta razão que preciso lhe falar uma coisa muito séria.
-O que aranha?
-Olha, querida tem um bicho por aqui querendo fazer uma maldade com você.
-É mesmo? Mas não faço mal a ninguém, quem é?
-Não posso falar alto, chega mais pertinho de mim,encosta seu corpinho na minha teia que vou falar bem baixinho no seu ouvido, quem é .
-Assim está bom?
-Está, borboletinha.A formiga saúva quer pegar você.
-É mesmo?
-Sim ela me falou, você precisa tomar muito cuidado.
-Chega mais pertinho borboleta que vou lhe dizer o que ela pensa em fazer com você.
-Mais perto ainda?
-Assim está bom ?
-Está.
-O que você está fazendo comigo, está me puxando para a sua teia e com essa cara de quem vai me fazer mal.Larga aranha, me larga somos amigas, lembra? Muito amigas. Não faça isso...

-Pois é borboleta,mas estou com muita fome e quando se trata da minha sobrevivência, são os que estão mais próximos que eu sempre devoro.

                                                     



QUANDO ME FIZ HOMEM , CHOVIA.



                                                                       
Lembro que, como um todo, meu corpo já não era mais o de uma criança.Agora já não preferia mais a exclusiva amizade de meninos.Queria as meninas,conversar e tocar nelas, sentindo a diferença da maciez da sua pele em relação a minha.De forma demorada percorria o contorno dos seus olhos, o volume daqueles cabelos,e fazia um ponto de parada obrigatória nas suas bocas.Isto me excitava.Impreterivelmente.Os lábios delas pareciam estar sempre,convidando os meus.Os via entreabertos e molhados.Era a boca  dos meus desejos.Ali começava o corpo de uma mulher.E tinha a certeza de que os desejava por impulsos incontroláveis de força interna que explodia,avermelhava meu rosto,queimava a ponta das minhas orelhas,acelerava minhas batidas cardíacas.Era tudo muito novo.E o novo amedronta.Minha vida agora seria diferente daquela que brincava sob o reinado infantil.Acabara minha inocência. Olhava para os ventres delas e pensava como nós tínhamos o poder.De nós dois, mas um viveria.Uma irresponsável euforia que me arremessaria sobre corpos ávidos daquilo que eu desejava, também.Era um adulto.Quando eu me fiz homem, chovia.Eram as minhas próprias lágrimas que molhavam o chão da minha vida.E escorregando aqui e ali,acabei conhecendo o amor de uma mulher.Era mais do que uma boca, um ventre.O amor de uma mulher seria a minha própria vida.Então morri muitas vezes.E sempre que renascia, nem me lembrava do tombo anterior.Assim foi e continua sendo até agora.Mas,neste momento,parece que não é só uma chuva que se aproxima,mas talvez as intensas águas de um intenso temporal.
Adultos tem que aprender a  conviver com os seus temporais afetivos.