BENZEDEIRAS,REZADEIRAS,CURANDEIRAS,SALVE,SALVE!






SE VOCÊ ESTÁ COM MALES DAS RAÍZES, DESSES QUE VEM DA TERRA,TRAZIDOS PELO SOL,CHUVA E MORMAÇO,DA INVEJA E MAU OLHADO,QUEBRANTO,ESPINHELA CAÍDA COBREIRO,VENTO VIRADO,FOGO SELVAGEM,VENTRE CAÍDO E ERISIPELA PROCURE AS SANTAS BENZEDEIRAS E SEUS MÁGICOS MOVIMENTOS DE RAMOS DE PLANTA SOBRE SUA CABEÇA PROFERINDO PALAVRAS INTELIGÍVEIS, MAS CREIAM ELAS SABEM O QUE FALAM E CURAM!

QUER DAR EVOLUÇÃO RÁPIDA AO PARTO NATURAL, NADA MELHOR DO QUE UM  CALDO DE PIMENTA DO REINO PARA ACELERAR AS CONTRAÇÕES E DEPOIS NA CICATRIZAÇÃO DO UMBIGO DURANTE TRÊS DIAS CURATIVOS DE PANO QUEIMADO DE FUMO. NÃO TEM ERRO!

A BENZEÇÃO,TEM O PROPÓSITO LIGAR DIRETAMENTE OS PLANOS DO PROFANO AO DO SAGRADO E SUA FÉ FOR TÃO GRANDE QUANDO A BELEZA DAS INTENÇÕES DAS BENZEDEIRAS A CURA VIRA.

A RELIGIOSIDADE É O PONTO FORTE DESTA INTERMEDIAÇÃO NA ADORAÇÃO DOS SANTOS QUE JOGAM AS MAZELAS HUMANAS, RIBANCEIRA ABAIXO.

O BISTURI , ESTETOSCÓPIO E REMÉDIOS INDUSTRIALIZADOS SÃO SUBSTITUÍDO POR RAIZ DE CAIUBIM, JURUBEBA,SAMBA-CAITÁ, PEGA PINTO , BANANA -PAPAGAIO, ATELÃ DE SANTA BARBARA E OUTRAS TANTAS QUE AS CURANDEIRAS GUARDAM A SETE CHAVES.

JAMAIS NINGUÉM OUSOU DESMENTIR SUAS CURAS,A MAIORIA DAS CRIANÇAS ENQUANTO A INFÂNCIA AINDA EXISTIA POR ESTAS BANDAS,JAMAIS DEIXAVAM DE SEREM LEVADAS POR SUAS MÃES PARA QUE UMA REZADEIRA DESSE UMA OLHADA NO PIMPOLHO.

E AQUI VAI UMAS DAS REZAS ENSINADAS POR UMA DESTAS MARAVILHOSAS CRIATURAS - QUE NÃO COBRAM UM CENTAVO POR SUAS CURAS  E SE COBRAREM FUJAM PORQUE SERÁ PICARETAGEM .

SE VOCÊ SOFRE DE DOR DE CABEÇA FREQUENTE,PEÇA QUE UMA PESSOA DE MUITA FÉ FAÇA ESTE BENZIMENTO.QUANDO FOR BENZER, A PESSOA DEVERÁ PEGAR UM RAMINHO DE SALSA BEM VERDE E ENQUANTO REZAR FAZER O SINAL DA CRUZ NO AR :

"TERRA PARIU SANTÚRIA,MARIA GANHOU JESUS,ASSOBE SÓ O SERENO PARA RIBA DAQUELAS ALTURAS,TIRAI ESSA DOR DE CABEÇA DESTA POBRE CRIATURA".

TENHA ABSOLUTA CERTEZA DE QUE DEUS PODE FALAR ATRAVÉS DE QUALQUER DAS MÃOS QUE LHE FIZER JUS.

VALORIZAR NOSSA CULTURA É UMA QUESTÃO DE HONRA NACIONAL

MINISTRO OSMAR TERRA DA CIDADANIA

'Não tem cabimento Cirque du Soleil levar R$ 10 milhões e literatura de cordel não ter nada', diz Osmar Terra

Ministro da Cidadania comentou mudanças na Lei de Incentivo à Cultura.
 Manchete publicada em O Globo online, em  26/04/2018.


Alheia à formação de nosso povo, ela não é nacional, mas de grupos ou segmentos da população, como prega o chamado multiculturalismo, de influência norte-americana, e que dilui e atomiza a identidade e a consciência nacionais. Impõe-se a urgência do enfrentamento e superação dessa consciência colonizada que aliena da nação importantes setores de seu povo, afasta-os dos valores brasileiros e os submete aos ditames da hegemonia cultural estrangeira.

O país vive hoje uma situação de vulnerabilidade externa grave, que ameaça sua soberania. Na área da cultura ela se manifesta com a crescente hegemonia cultural norte-americana, cujos valores são difundidos principalmente pelo cinema, tevê, música e imprensa. E se traduzem em teses que pregam nossos pretensos atraso, incapacidade ou inferioridade para enfrentarmos nossos próprios problemas e encontrarmos — na arte, na cultura, na ciência, no campo do conhecimento, enfim — soluções próprias, adequadas e originais para eles.

Consideramos que a formação de uma consciência nacional crítica, criativa, popular e autônoma, é essencial para a superação dessa vulnerabilidade externa. A cultura é o esteio para a elaboração de uma identidade cultural baseada na multiplicidade das manifestações do povo brasileiro e que reforce a compreensão, essencial, de que fazemos parte de uma mesma nação que, amálgama de raízes índias, europeias e africanas, é única; tem um passado vivido em comum, e em comum busca a construção de seu futuro, compartilhando história, valores, formas de pensar, sentir e manifestar-se que são próprias e constituem os vínculos que articulam os integrantes de nosso povo.

Agora, imaginem: Se o Cirque de Soleil levou das tetas do governo 10 milhões de reais, imagina esta fanfarronice matuta do Rock in Rio quanto terá levado?
Continuam com a razão nossos irmãos argentinos quando dizem que somos macacos de imitação?

SORRISO DE MULHER!





Um sorriso de mulher incendeia qualquer canavial de amor que estejamos cultivando como safra única, e cuidadosamente, regada ,com carinhos e merecidas atenções sempre que o almejado, seja uma colheita generosa.

E com certeza de muitos caules que serão transformados no açúcar nosso de cada dia e, quem sabe, numa consistente rapadura de doce e eterna paixão.

O homem que resiste ao sorriso de mulher é um doente inveterado, sem alma e desnudado de sentimento, absolutamente nu de graça, jeito e sem nenhuma possibilidade de ir para o céu.

Vai curtir é no purgatório da sua pós vida um merecido sofrimento por não ter valorizado o sorriso de uma mulher.

Pois ele, pode ser o veneno e antídoto, morte e vida, luz ou treva, sorte e azar,mundo e o fim dele, depende de como é tratado .

Então, o que falta para que um homem respeite e adote o sorriso de uma mulher como seu talismã dos eternos encontros e extasiados momentos de celebrações únicas de gratidão?

É tão pouco e é tudo, se faz entre dois lábios e uma generosa aparição de dentes, acompanhado com um dobrar de pregas e o franzir de dezenas de músculos da face.

Está aí a definição fisiológica do beijo, mas isso é tão pouco!

A grande verdade é que, sempre se deve ao final de um sorriso da mulher, eleita no escrutínio universal e votação secreta das nossas opções afetivas, calar-lhe e tampar-lhe a boca com uma demorada resposta de agradecimento e a mais ardente possível, sempre com um beijo não-técnico.

Daqueles que ela possa ter a impressão de que, nunca antes tivera sido beijada assim, na sua vida!

JOÕES E MARIAS.


                                                              
                 Texto inspirado na música de Chico Buarque: João e Maria

                                          
A gente envelhece para quem gosta de envelhecer, a gente amadurece para quem gosta de amadurecer, a gente é jogado na vida da direita para a esquerda, do alto para baixo e alguns se despencam na ribanceira da infelicidade.
Mas nem todos nas suas idas e vindas, mesmo depois de rotulados pelos tolos e afastados pelos desistentes viscerais que pensam e analisam com o fígado, tem a oportunidade de parar e pensar: O que a vida vai fazer de mim!
Se parar para pensar você certamente descobrirá que mesmo montado naquele cavalo que só fala inglês e de mãos dadas com a noiva do Cowboy agora considerada sua princesa coroada e obrigada pela lei a ser feliz e mais ainda, apesar de ter que  enfrentar os alemães e seus canhões, assume a satisfação e o orgulho por sentir-se um brinquedo e um bicho preferido, que desconhece o medo e o faz-de-conta existencial que soma, subtrai, mas, quando multiplica ilusões destrói a realidade e fere o amor.
Quando alguém sumir do seu mundo sem avisar e espanar suas lembranças varrendo com a vassoura poderosa de piaçava grossa os vestígios de sua existência a dois naquele tempo da maldade você tem que se perguntar: O que a vida vai fazer de mim!
Se perguntar com os braços abertos para o céu, as mãos espalmadas e ávidas por abraçar aquele corpo seu e sentindo o seu próprio corpo agora extenuado pela ausência fatal e jogado no quintal daquelas noites que não terão fim, ficará sabendo que deixou de ser o bedel e também o juiz, então pare e continue a pensar: O que a vida vai fazer de mim!
Insista e arremesse com seu bodoque imensas e sólidas bolas de argila contra as muralhas da intolerância, continue correndo por entre trilhas de chão batido pelos pés rachados de quem anda independente do calor do solo procurando a verdade e insista cada vez mais e sempre que mandarem você desistir, continue insistindo que é muito melhor salvar a nossa própria razão do que ficar vivendo a superficialidade da honra e verdades das razões alheias.
Insista e você irá encontrar de novo a sua amada Maria, pois afinal, lugar de João se não for ao lado dela de que lado errado ficará?
E para o reencontro separe o seu melhor presente para ela que pode ser aquele vestido de chita rodado e rendado de um colorido lindo que você tanto sonhou que ela um dia pudesse usar e se mostrar bonita para todo mundo ver!

                                                                     

                                                                 

INSISTINDO NAS UTOPIAS.



                                                                                   
                                      Bernie Sanders ,senador do partido democrata dos EUA.

No vigor patriótico dos seus 77 anos Bernie Sanders, cuja utopia é transformar o cenário politico dos EUA em céu azul de brigadeiro que tanto a aviação admira e continuar acenando para grande parte da sociedade progressista daquele pais , lançou-se candidato a presidência da república dos Estados Unidos da América do Norte pelo Partido Democrata para as eleições de 2020.
Precisará passar pelas prévias dos Democratas que, na última vez  o derrotou optando pela Hilary Clinton de triste memória, passado condescendente com a orgia oral do seu marido e uma estagiaria no salão oval da casa branca e finalmente, sendo derrotada pelo republicano Donald Trump.
Agora, com o mesmo entusiasmo de um menino de dezoito anos, alimentado pelo amor a liberdade, amor a luta pelo diminuição da injustiça social perversa e contra as contumazes  condutas de ladravazes políticos que, exatamente lá como aqui, em conluio com empresários devassos e imorais , saqueiam a coisa publica desaparecendo com os remédios dos hospitais e tirando professores de sala de aula pela desmotivação de baixos salários.
Bernie Sanders por amar o mundo das suas utopias tem feito disto um antidoto poderoso para insurgir-se contra as mazelas sociais das insatisfações crescentes em seu país, consequência da atual pequenez e desastrosa politica de Donald Trump.
Parece que aqui caberia relembrar a emblemática e celebre frase do mais discutido e controverso estadista brasileiro Getúlio Vargas : "Só o amor constrói para a eternidade" que parece continuar a ser verdadeiro para qualquer idade e nas situações mais diferenciadas.
Socialista democrata, Bernie Sanders e um dos mais respeitados políticos dos EUA que, tem um discurso solidário e voltado para o coletivo achando que nós sempre seremos muito maiores do que  se continuarmos vivendo com uns sempre puxando para o seu lado e querendo destruir outros poucos que resistindo, ficam se defendendo e contra- atacando o outro.
A sociedade humana tem que encontrar um caminho comum a todos e que independente de ideologias,crença religiosa e valores morais,éticos e sociais tenhamos a grandeza de respeitar o nosso semelhante e com ele caminhar de mãos dadas.
Entre os jovens norte -americanos  acreditar nesta utopia das mãos dadas foi a responsável pelo fato do Partido dos Socialistas Democratas -DSA  ter triplicado o seu numero de associados durante a gestão de Trump, um crescimento exponencial e nunca antes verificado na maior nação capitalista do mundo, segundo constatado pela Economist Intelligence Unit - EIU, organismo americano líder em gerenciamento de negócios globalizados.
Governar é um ato de amor mas, parece que a maioria dos governantes do mundo tem optado pelo ódio ao próximo e a destruição da vida, como na Africa com o aniquilamento  de crianças cujas barrigas infestadas de doenças as impedem de se tornarem adultas vitimadas pela malditas consequências das distrofias pluri - carenciais nutritivas cuja sinonímia é a fome endêmica e absoluta que seca , entorta  e mata o ser humano.
A sociedade dos ratos temem o veneno mortal do "chumbinho" e nós seres humanos nos renderemos por ainda quanto tempo à escravidão irresponsável desta toxidade letal que emana da gananciosa luta desvairada pelas trinta moedas bíblicas, custem o que custar e a qualquer preço?

                                                                               





QUE SOCIALISMO É ESSE PRESIDENTE,FALA SERIO.



Que socialismo, presidente?

REPRODUÇÃO INTEGRAL DA COLUNA DE ASCÂNIO SELEME DO JORNAL O GLOBO EM 01/01/2019. 18.30hs
Presidente Jair Bolsonaro no Parlatório do Palácio do Planalto
Jair Bolsonaro fez um discurso mais político e popular no Parlatório. Parecia um candidato em campanha. E, como sempre ocorre nesses casos, exagerou no tom e no conteúdo. Dizer que estava ali para libertar o Brasil do socialismo não foi apenas retórica, foi discurso para quem queria ouvir isso mesmo. Mas era bobagem. Primeiro, de que socialismo falava Bolsonaro? Do herdado de Michel Temer? Se fazia referência aos governos petistas, chegou atrasado, seu antecessor já havia mudado a direção do governo para a linha que o empossado escolheu seguir. E mesmo os governos dos ex-presidentes Lula e Dilma nunca foram socialistas. Foram sociais democratas com foco na distribuição de renda. Ponto final.
No tom, foi além do ponto ao fazer fora do script a referência à bandeira brasileira. Nem tanto ao repetir o mantra de que a bandeira brasileira jamais será vermelha, mas ao dizer que só ficaria vermelha com o seu sangue na defesa das cores verde e amarela. Exagerou e a plateia adorou. Aliás, público como aquele não queria um discurso que não fosse nesse tom. Bolsonaro entendeu isso e falou da família brasileira que vai defender de nefastas ideologias. Usou e abusou de ataques à esquerda, afinal por que mesmo ele estava ali?
No ponto em que falou de libertar o Brasil do socialismo, citou ainda o gigantismo estatal e o politicamente correto. Ponto polêmico que seria bom explicar melhor. Porque o politicamente correto é uma evolução e significa evitar o uso de linguagens ou ações que sejam excludentes. E Bolsonaro disse no Congresso que governaria sem discriminação. Em outros pontos do discurso, o presidente repetiu com palavras diferentes, mais inflamadas e de maneira mais direta, o que já havia dito ao tomar posse.
Bonito mesmo fez a primeira dama, com um discurso não previsto em linguagem de sinais. Foi elegante, simpática e emocionou até mesmo a moça que ao seu lado fazia a leitura dos discurso de libras de Michele. Agradou ao público e ao marido, que agradeceu com uma bitoca. Escorregou uma única vez, ao citar apenas um dos três filhos do marido, o vereador Carlos. Pode gerar ciúmes, e esse é o tipo de sentimento insondável que é melhor não provocar.

DA ESCROTIDÃO HUMANA.


                                                    


                                                                                      


A maior das singularidades da escrotidão social viceja na junção de dois acontecimentos em personalidades doentias. Primeiro, em eleger a ingratidão como forma abusiva de desrespeito ao outro, e em segundo patamar, quando a pretensa felicidade é resumida, na obtenção do dinheiro fácil, que substitui a honradez do caráter humano e implanta-se um vale -tudo no relacionamento e todas as mentiras servem para justificar a submissão da dignidade à deplorável suruba financeira do toma-lá-dá-cá. Vende-se a 1,99 a pior das condutas imagináveis neste troca-troca insano que destroça a família, asfixia com odor fétido a vizinhança e os mentores desta sacanagem social pensam estar sempre, incólumes e vistos por terceiros, com a cabeça erguida e que nada continuará manchar-lhe a existência.Ledo engano!
Os comentários em família e alhures revestem-se do pior cinismo e mentirosos elogios,. são feitos somente em corpo presente aos cafajestes imundos cujas retaliações acontecem  em determinado e restrito subgrupo e por trás que, reconhece nos crápulas a serem desmascarados, atitudes tão indecentes mas, no entanto, para fora nada se deixa vazar.
Desta forma faz-se com as putas revestidas e escondidas em sagrados mantos familiares as quais pretendem estar agasalhados e imunes a justiça dos homens. Desta forma faz-se com os putos canalhas e ladravazes de todas as matizes que, sob os mesmos ardis pretendem continuar achando que: Tudo bem!
Tudo mal safados!
 Tudo muito mal canalhas ladravazes impunes, pois um dia brilha o sol da verdade e queima as mentes doentias e a espada da vingança é penetrada naqueles corpos colocados a venda e novamente, pelas mesmas e malditas trinta moedas da traição que levou o filho de Deus ao sacrifício.
Quem viver verá, e aqui sem nenhum ponto de exclamação, mas com todos os pontos de um derradeiro e necessário, ajuste de contas, final.

MORTE EM VIDA OU ACABOU A PUTARIA!



                                                                             


Nestes tempos bicudos que estamos vivendo que, premia e saúda as mais descaradas inversões dos valores morais, éticos e culturais embrulhando tudo neste pacote dissimulado de  desfaçatez macabra dos comportamentos erroneamente enaltecidos como "politicamente correto" para lhes dar a validade cínica,andamos morrendo em vida. Para aqueles que sempre viram a morte do patriotismo como uma ritual de coroas com faixas roxas e dizeres pouco criativos de "descanse em paz" bordados em cor de ouro mais falso do que aqueles que desejam,estão agora acordando mortos em vida e sempre pensando qual o novo país que irão escolher para encontrarem a felicidade. Seria na Holanda majestoso país com suas ruas e praças abertas ao consumo de drogas ,permitido e assistido por equipes médicas competentes. Estarão os mortos-vivos do patriotismo nacional querendo fazer turismo da maconha , ou Portugal com os seus tradicionais problemas e limitadas ofertas para o imigrante? A opção seria os "states",Nova York com a fantasiosa Broadway dos shows espetaculares do dia-a-dia? O velhos mortos -vivos brasileiros  que odeiam o patriotismo e confessos amantes despudorados da cultura alienada e marca registrada daqueles que detestam o samba, a cultura nacional e o Brasil e se jogam de cabeça, narizes e veias no mundo incerto e curto do rock, sexo e drogas, estarão indo para onde? O pobres do Brasil querem ficar e restabelecer um país melhor, mas nossas classes mérdias altas e elites, sem generalizar é claro, mas que na sua maioria assaltaram ontem, continuam assaltando hoje  e já tinham planos para o futuro de continuarem a assaltar os cofres públicos com a mão grande insaciável e implodindo vergonhosamente empresas, bancos,frigoríficos e o escambau e, empanturrados do nosso dinheiro roubado na nossa cara, esses sim , atualmente apavorados como nunca , querem fugir da violência que reina entre nós que eles próprios edificaram e fizeram artificies principais a cada nova  empresa que faliam , a cada nova mansão, a cada novo iate , a cada nova fortuna que acumulavam fruto da indecência financeira que por aqui plantaram.Esses velhos mortos - vivos acordam a cada dia com dúvidas cruéis de para onde irão! E data vênia devem agora e mais do que nunca abandonarem,realmente este país que eles sempre odiaram, este Brasil do qual sempre se envergonharam pois,viviam aqui somente para desavergonhadamente continuarem  roubando a seringa do hospital, o salário do professor, criando as condições para que a violência se espalhasse e que, agora estão vendo a violência que criaram pela injustiça social que disseminaram, entrar nos seus luxuosos condomínios erguidos com o dinheiro,sangue e suor subtraídos do povo trabalhador deste país. Pelo andar da carruagem e sem nenhuma análise politica partidária, apenas vendo a estrada que se está sendo pavimentada pelos novos dirigentes deste país, tudo leva a crer que a acabou a putaria. Estamos começando a ver, escutar e de forma ainda tímida o patriotismo aflorar na consciência e no coração dos brasileiros. Estamos ensaiando e dando os primeiros passos para que a cultura brasileira seja prioridade e que o trabalho vença a putaria financeira dos conhecidos ladravazes.Os velhos mortos-vivos imorais e impatriotas que sempre detestaram a moral a cristã e usavam a ética própria para subverter e encobrir  a putaria escandalosa e como nunca jamais vista neste país. Condutas familiares tão destroçadas e cujos princípios básicos da autoridade, e moralidade  foram para o brejo e tudo em nome de uma "modernidade" que enaltece a putaria do dinheiro fácil e cada vez mais, em todos os planos da sociedade brasileira e nos transformaram numa imensa casa de troca-troca que os franceses chamam de rendez-vous! Esta na hora destes velhos mortos-vivos e ladravazes do patriotismo nacional irem para suas culturas nórdicas pelo qual são apaixonados.E se eu estiver enganado e se este andar desta carruagem for igual a da Cinderela que a meia -noite voltará a ser uma abóbora, não serei eu que terei perdido sozinho e sim, a nação brasileira.

CRISE DE IDENTIDADE.




Era desses homens que detestava ser anônimo.
 Falava alto na rua, tocava muito nas pessoas com se as quisesse trazer para si. Costumava dizer que, o que sempre desejou era ser era uma celebridade, mais tinha certeza de que jamais seria famoso, pois teria sido amaldiçoado por Deus, no dia em teria “feito mal” a sua prima, ela ainda nem debutante era e ele já um adulto e ainda ter exigido dela silencio sob ameaça física de consequências imprevisíveis. Naquele dia, movido por intenso sentimento de culpa, elaborou esta fantasia psíquica que lhe incitava a fechar-se para qualquer oportunidade desta sua única e insubstituível vida.
Então convivia com esta punição imaginaria que lhe gerava uma profunda lacuna dentro de si, sentindo-se pequeno, tolhido, incapaz, incompetente pela espada de lâmina afiada do
Criador constantemente, sobre sua cabeça e, sempre procurando algum motivo na vida para superar sua pequenez interior.
Uma delas era plantar árvore mais tinham que ser grandes, tipo palmeira imperial imensa mangueiras, eucaliptos, pois achava que árvores que não cresciam eram iguais a ele, portanto, pequenas, sem expressão e anônimas.
Árvores grandes apanhavam mais sol, respiravam mais ar, sentiam muito e melhor a força dos ventos e as rajadas de chuvas, enfim tudo aquilo que como ser humano ele não tinha conseguido alcançar. Era um arbusto espinhoso e retorcido típico das regiões das Caatingas nordestinas, esparramando-se em solo arenoso e cáustico, que queimava mais do que, as mãos do vaqueiro distraído quando pega o ferro em brasa para marcar o gado, pelo lado errado. Sente então a dor desmedida a que submete o animal.
Esta a dor que, ele também, sentia.
Era a dor de ser um anônimo.
Sonhava com multidões o importunando, mulheres cutucando-o nos lugares por onde passasse sedenta de levá-lo para cama junto com sua popularidade. Era por isso que tinha ódio de ser anônimo, pois se sentia feio, sem o viço e a espetaculosidade dos famosos.
Nunca tinha dado um autógrafo. Isto o martirizava e ficava escrevendo seu nome nas brancas paredes do seu quarto, como se treinasse para um grande evento que lhe estava ainda reservado pela vida.Um mega-show no Canecão abarrotado de enlouquecidas fãs.
Era ácido, de difícil trato, indesejável, egocêntrico, feio e vivia rezando para chover, nos fins - de -semana, para estragar os planos de todo mundo, e assim diluir um pouco sua inveja nos outros, nos cornos e nos corpos fervilhantes daqueles que eram felizes e gostavam da vida.
Apesar destas distorções de comportamento tinha uma incrível e inusitada sorte com as mulheres, o que, porém ele atribuía - devido ao seu obscuro sentimento de autoflagelação social - ser uma mera atitude de compaixão por parte delas. Nada sincero!
E, também tinha muitos amigos que, ele os via com sua percepção doentia de anônimo neurótico, como uma grande equipe médica e estivessem sempre atentos  para levá-lo a uma sala de uma unidade de tratamento intensivo, após severo acidente vascular cerebral, fulminante.
Fantasias mórbidas!
Imaginava então, todas aquelas mulheres que lhes eram disponíveis e aqueles amigos, vestidos de branco, e ele na maca com paraplegia irreversível, rumo à escuridão eterna do anonimato sem retorno.
É assim que pensava aquele homem que jamais percebeu que sempre fora o ator principal, o intelectual mais aplaudido, o milionário mais cobiçado, o mais laureado homem das artes, desta majestosa, única e insubstituível oportunidade que teve de nascer e continuar vivo, e não ter sido abortado, numa clínica clandestina de subúrbio, por sua mãe que jamais pensou em se desfazer dele e o via como a mais importante pessoa do mundo.
Afinal, só ele se considerava um inútil!

VIOLÊNCIA AGORA, É BIJUTERIA BARATA DOS CAMELOS DA CRUELDADE.


                    


Adorno sem nenhum valor, bugiganga e quinquilharia descartável, custo financeiro mínimo que, enfeita e substitui as jóias raras, inacessíveis aos que não podem comprar safiras, diamantes, topázios em anéis, pulseiras ou gargantilhas de custo elevado.
Atualmente, são muito usadas e disseminadas em todo o mundo, mercadorias fácil de encontrar em cada esquina, amontoam-se às centenas em modelos variados de todas as cores, formas e aparências, nos tabuleiros dos camelôs da vida.
Quem as comercializam,porém, são honestos trabalhadores da economia informal.
No entanto,nisso se transformou também, e lamentavelmente, a violência como se estivessem disponíveis nas barracas expostas dos marginais da intolerância social pelas ruas, becos, praças e qualquer lugar das nossas cidades como mercadoria barata e que,usa as vidas humanas como metal, sem nenhum valor.
A violência tem sido assustadora, indiscriminada, banalizou-se e ficou tão democrática que, qualquer um, pode ser vitima dela, até mesmo dentro das suas próprias casas.
Todos somos reféns de uma bala perdida ou um assaltante imbecil e desumano que, após levar a carteira, tira também a vida do incauto, afinal, nestes tempos, no qual vivemos não basta fazer apenas um mal é necessário ser cruel.
Quando um leão abate um cordeiro, uma águia devora uma carcaça, os ursos saboreiam o salmão, isto faz parte da cadeia alimentar, é a lei da sobrevivência, os mais aptos continuam.
Porém, na vida animal, só se mata para comer.
Diferentemente, os seres humanos fazem turismo de caça, derrubam com suas potentes armas um imenso paquiderme, pela simples alegria de verem elefantes de várias toneladas ruírem por terra e ali deixados como carniças, a troco de nada, apenas um esporte.
O ser humano é o único animal, que mata o outro irracional por diletantismo, prazer,diversão, esporte, sem nenhuma necessidade e premeditadamente.
Entre nós, os chamados civilizados, um mata o outro, por alguma razão ou sem razão nenhuma, às vezes apenas porque o assaltado se assustou e faz um movimento mais brusco.
Quadrilhas armadas entram em edifícios de apartamentos, já transformadas em verdadeiras jaulas com uma variedade imensa de segurança e parafernália tecnológica de proteção que, no entanto, não impede nunca a fúria de quem entra e arrasta tudo que pode.
Se a própria violência interna do homem que, transborda como oceano volumoso não fosse o suficiente, ela agora é estimulada por imensas e destruidoras ondas de variadas drogas malditas desde as mais sofisticadas, até esta desgraça do Crack, vendida em pedrinhas malditas que, em pouco tempo, transformam um ser humano em lixo urbano, verdadeiros vodus ambulantes, um autentico filme de terror!
Gostaria de estar comentando sobre a imensidão de um céu azul, a graça de um bebezinho banguela, a beleza de um lírio do campo, o sorriso de uma mulher, dos vôos inocentes das borboletas, sobre o beija-flor, mas desculpe, a insanidade da violência humana está destruindo isso tudo.
Então, vou ficar lhes devendo!

OS OUTROS NAS NOSSAS VIDAS.

                                    


Ah maldição!
Parece até coisa de duende que passou a madrugada no temporal que caía sobre o nosso jardim do amor ou vingança de alguma fada madrinha estuprada na mão grande e covardia inominável, no morro do alemão!
Parece que as coisas acontecem num turbilhão programado de infelicidades, pois  sempre que você me apresenta alguém,  este ectoplasma existencial, trás consigo um pacote de quinquilharias e bugigangas existenciais apodrecidas, um  verdadeiro monte  Everest de problemas que , sinceramente eu ando declinando solenemente, deste novos e possíveis futuros “amigos” os quais você vem me propondo com certa insistência.
Podíamos até combinar o seguinte: Por que ao invés de seres humanos problemáticos  chatos, malucos e inúteis na sua máxima e plena inutilidade você não me trás eventualmente uma maritaca de penas brancas , um hamster brincalhão já na gaiola com aquela roda que eles adoram ou quem sabe um gato ou cachorro até mesmos destes achados na rua.
Eu a adoraria só em pensar que estes novos amigos tem boca, mas não falam.
Aleluia!
E os problemas não mudam, são de uma previsibilidade alarmante e circunscrevem-se infalivelmente na falta de amor, falta de dinheiro ou falta de emprego, mas e principalmente, falta de felicidade.
Gente chata, medíocre, vaza... vaza, por favor!
O pior de toda esta história é que essa gente não tem saliva na boca e sim, elas tem um concentrado liquido de inveja e a cada beijo falso e hipócrita que te dão, inoculam em você as piores bactérias existentes de todas as matizes biológicas e virulências.
Historinha rápida: Gosto de samambaia chorona, as penduro no teto. Certa vez uma vizinha problemática entrou lá casa e disse:
-Meu Deus que samambaia linda, nem acredito!
No dia seguinte, a samambaia estava totalmente seca e espalhada pelo chão!

                                                    

EU TINHA UMA VELHINHA.


                                    

Eu tinha uma velhinha, aprumadinha, sem corcunda nem buço, não era lá esta coisa em termos de corpão, coxão, bocão e até os seus lábios viviam sempre ressecados e descascando então ela os umectava com manteiga salvadora de cacau, nas improváveis situações nas quais a minha boca não pudesse exercer a mesma função hidratante.
 Fumava feito um dragão raivoso para manter enevoada como uma cortina de disfarce, aquele temperamento de capeta chupando limão, mas era minha distração, peça de reposição do meu fascínio pela vida, meu momento de paz, enlevo e sempre empurrando meu descontentamento e monotonia insidiosa da vida para o lixo.
Eu tinha uma velhinha que se você olhasse iria concordar que dava para o gasto e apesar de não servir para um banquete de orgias o meu amor por ela era muito maior que a extensão do céu que jamais conseguia vê-lo em toda a extensão, só sentia! Era um criançola assumido a seu lado e gostava de ficar fazendo gracinhas para arrancar um sorriso dela, proeza é bem verdade meio complicada, complicada igual às desavenças entre árabes e judeus, mas com muito esforço ela para me agradar dava aquele riso meia-boca e me satisfazia.
Em público admitia apenas dar as mãos, nada de beijos na boca de língua ou sem língua muito menos aqueles atrevidos abraços que entortam tudo e asfixiam. Nada disso! Era tão discreta que nunca a vi chorando e não sentia dor, era um muro de concreto contra dores que geralmente derrubam qualquer mortal. Nela, nem fazia cócegas!
Essa velhinha que eu tinha, gostava de vê-la bonita e mostrá-la para os outros, elogiava,enaltecia, a colocava nas nuvens do sucesso social e todos ficavam embasbacados e no final da conversa agradeciam por ela existir. Então, eu ficava muito mais feliz do que ela.
Eu tinha uma velhinha que um dia achou por bem pisar no foda-se expressão esta que nem fazia parte do seu vocabulário rotineiro e me assustei, mas pensei: “É minha velhinha está me ameaçando novamente, isso passa!”
Não estava e nem passou, minha velhinha estava cumprindo uma promessa!
Então, chamo atenção de todos vocês: Jamais deixem que percebam que você é feliz. Combinem com suas velhinhas ou suas mocinhas, ou simplesmente o amor de vocês que são apenas um casal comum, nada de mais a acrescentar, nada de menos a tirar, apenas dois e nada mais.
Eu nunca acreditei em inveja, nem em invejosos, mas, gente que roga praga para destruir a felicidade alheia, hoje em dia eu tenho certeza de que existe e em geral essas pessoas têm mau hálito, são vegetarianas, fazem mais pilates e alongamentos corporais diários do que sexo! Sozinhas, vivem elogiando a sua relação, dizem que amam você até morrer, são seus eternos amigos e amigas, mas por dentro se forem mulheres, alimentam no útero dos seus desesperos aquela cobra que quer cuspir veneno e se forem homens estão armados até os dentes de ódio, pelo amor que presenciam e não conseguem alcançar.
Eu tinha uma velhinha, a velhinha deste velhinho que ao me dar um sacode no traseiro me fez sentir um ser humano igual a outro qualquer e que tirou de mim a probabilidade de viver até aos cem anos.
Porém, vivi o suficiente para amá-la.

COBRAM DE MIM!



                                                             
                                                                 
COBRAM DE MIM CONDUTAS PERFECCIONISTAS, RACIONAIS, PONDERADAS, EDUCADAS, SUTIS, LEVES E OBRIGATORIAMENTE EMBRULHADAS EM DOBRADURAS DE  PAPÉIS CREPONS COLORIDOS E PERFUMADOS;

COBRAM DE MIM A CALMA DE UM RECÉM- NASCIDO ADORMECIDO E ACONCHEGADO ENTRE OS SEIOS BONS E GENEROSOS DA MÃE PROVEDORA DA VIDA;

COBRAM DE MIM O EQUILÍBRIO IMPECÁVEL DE UM EXPERTISE PROFISSIONAL DO CIRQUE DE SOLEIL E SUA PERFEITA APRESENTAÇÃO NO PERIGOSO TRAPÉZIO DA MORTE;

COBRAM DE MIM O COMPORTAMENTO DE JESUS CRISTO E EXIGEM SEMPRE O OUTRO LADO DA MINHA FACE PARA QUE POSSAM ESBOFETEAR, TAMBÉM;

COBRAM DE MIM A HONRADEZ, LISURA, PROBIDADE E ETERNA VIGILÂNCIA PARA SERVIR AO MEU PRÓXIMO E O MAIS ABSOLUTO SILENCIO DE UM CÁGADO NO ESCURO, QUANDO NOS OUTROS PERCEBO QUE NÃO É NADA DISSO;

COBRAM DE MIM QUE NÃO ALARDEIE O MEU AMOR, E QUE RECALQUE E SUBLIME MINHAS PAIXÕES SEM DEMOSTRA-LAS PARA NÃO FERIR AS SUSCETIBILIDADES DE CORAÇÕES PETRIFICADOS DE OUTREM, MERGULHADOS NA INFELICIDADE;

COBRAM DE MIM O SILENCIO QUANDO MOVE-ME O DESEJO DE BERRAR MEUS DESEJOS AFETIVOS E MINHAS INTENÇÕES DE REPUDIAR OS CRETINOS DE TODAS AS ESPÉCIES, SEJAM OS MILIONÁRIOS LADRAVAZES OU AQUELES NECESSITADOS INCOMPETENTES E ACOMODADOS, ESPERANDO CAIR DO CÉU;

COBRAM DE MIM O ETERNO SILENCIO APÓS OUVIR DAS "BOCAS NERVOSAS" TODAS AS MAZELAS E AÇÕES QUE APONTAM OS ERROS ALHEIOS E DO MUNDO E QUE AS OUÇA MAS, NÃO ME ATREVA DE DIVULGÁ-LAS, MUITO MENOS REPETI-LAS, FAZER JUÍZO DE VALOR SOBRE ELAS?  NEM PENSAR! CALADO!

COBRAM DE MIM A CEGUEIRA DEFINITIVA DE NÃO-JULGAMENTO PARA AS PROSTITUTAS AMADORAS E DE OCASIÃO E PARA OS RUFIÕES, PROXENETAS OU AQUELE CAFETÃO EXPLICITO E DESAVERGONHADO;

COBRAM DE MIM A IMPARCIALIDADE DESDE QUE, EM APOIO AO LADO NO QUAL A CONSCIÊNCIA DELES ESTEJA ANCORADA;

COBRAM DE MIM A MAIS PERFEITA ATITUDE FRANCISCANA DE TER SIDO PROVEDOR E JAMAIS OUSE DIZER QUE AJUDEI;

COBRAM DE MIM A CONDUTA DE UM MENINO EDUCADO PERANTE A MÃE SEVERA QUE NÃO ADMITE CONTESTAÇÕES E MUITO MENOS O DIÁLOGO CONSTRUTIVO, POIS, A VERDADE É UNILATERAL DELES, É A CHAVE DO SUCESSO DELES, OS SERES PERFEITOS E INATACÁVEIS;

COBRAM DE MIM O DESEMPENHO DE UM CAVALO ÁRABE, FORTE E CORAJOSO PARA CAVALGAR DE CABEÇA BAIXA E LEVÁ-LOS AO FIM DO MUNDO, MAS SEM DEPOIS, SEQUER PODER DESEJAR OUVIR UM: MUITO OBRIGADO ANIMAL!;

COBRAM DE MIM SEMPRE "TEMPO LIVRE" E CÉU DE BRIGADEIRO, COMO SE EU FOSSE UM METEOROLOGISTA COM UMA MÁGICA VARINHA DE CONDÃO;

COBRAM DE MIM QUE CADA VEZ  LHES  PROPICIEM "MAIS ESPAÇO" PARA QUE POSSAM SE SENTIR COMO ASTRONAUTAS FORA DA NAVE E EM CONTATO COM A INFINITUDE DO COSMOS;

ENTÃO, MANDEI TODOS ELES À MERDA QUANDO DECIDIRAM QUE EU DEVERIA SER O SEU DEUS EXCLUSIVO VINDO A TERRA PARA SERVI-LOS DE BOCA CALADA, OLHOS VENDADOS, MÃOS ATADAS E JOELHOS EM GENUFLEXÃO DUPLA PERANTE AS SUAS SAPIÊNCIAS INTELECTIVAS E MATERIAIS ADQUIRIDAS NO LAMAÇAL ONDE CHAFURDAM OS PORCOS E DOS QUAIS SURRUPIAM E DEVORAM  TODO O TOUCINHO;

ENTÃO, MANDEI TODOS ELES À MERDA POR NÃO TEREM A SAGACIDADE COMPREENSÃO, ESPERTEZA, INTELIGÊNCIA E LUCIDEZ PARA ENTENDEREM QUE URINO E DEFECO EXATAMENTE, COMO ELES O FAZEM;

ENTÃO MANDEI TODOS ELES À MERDA COMO JÁ TINHA FEITO ANTES COM TODOS OS ADOLFOS HITLERES QUE DE MIM SE APROXIMARAM, QUANTO MAIS DESTES PÓS-MODERNOS " FÜHRES" QUE COMEM SARDINHA MAS, VIVEM ARROTANDO CAVIAR;

...E QUEM QUISER QUE CONTE OUTRA!

SOBRE OS ESCARGOTS DA ROBAUTO E OUTRAS CONVERSINHAS FIADAS!




Que traste em vida eu fui, incapaz de tornar-me um cafetão como alguns se tornam com aquela sabedoria de quem já tinham e desde rapazinho com muita experiência acumulada afinal, vividos às custas dos sindicatos da enganação humana nos quais mamavam e sem esforço o dinheiro alheio. Cafetão que eu nunca consegui ser mesmo de uma bagaça mulher loira fajuta e oxigenadamente falsa, meio torta e curvada pois, enganada pela natureza da bela estética. Mas que bobagem afinal, o que deve ser visto nela é a sua conta bancária, pois, beleza não se põe mesa, como diria o escritor José Pedro Machado em : O grande livro dos provérbios. Está tudo lá. Que inútil homem tornei-me que nunca avancei no dinheiro alheio e verdadeiro bocó, sem jamais ter falido criminosamente uma empresa e com essa espúria ação ter capitalizado não os caraminguás que não enchem os bolsos , mas sim , fortunas a serem usadas vida afora sempre cuspindo a soberba do não tô nem aí . Formosos malandros acham que sabem de tudo, arrogantes e destemperados morais e que ainda, ameaçam levar  nossas filhas para a desgraceira dos seus nomes sujos, aproveitando-se das inevitáveis fantasias obsessivas causadas pela Síndrome da Cinderela. Incompetente brasileiro sim, fui eu, que acreditei no amor, repudiei as drogas, briguei nas ruas peito aberto e coração a gargalhar por um Brasil livre dos porretes e canhões antidemocráticos dos verdes-olivas da ocasião. Acreditei no bem dos bons e no melhor dos ótimos para todos nós. E olhando sempre para os menores dos pequeninos com respeito o que me deu o titulo debochado de socialista de fachada, por aqueles outros contaminados pelo insuportável maneirismo de serem os donos da verdade e detentores  das chaves da roubalheira oficial e do cofre da iniciativa privada. Privada de esgotos férteis que entopem de sujeiras contaminadas os oceanos indefesos nos quais a maioria dos seres humanos íntegros vão se banhar com a cabeça erguida. E que bom de cabeça  erguida, pois, só assim evitam que entrem em suas bocas as fezes malditas e saídas das cloacas ardidas e expelidas nos restos fecais dos escargots da robauto e surrupiados dos feirões das patifarias e surubas financeiras. O que? Não conhecem este tipo de escargot? Graças a Deus pois, quando comprados com o fausto da dinheirama surrupiada, reza no livro da maldição dos excluídos que estes moluscos gastrópodes terrestres e de concha espiralada calcária ,levam inevitavelmente a um final de vida trágico.Em geral, semeadas de metástases cancerosas e impiedosas que nos jogam até a morte em dolorosas esperas nos leitos dos hospitais ou mais modernamente em  Home Care, no adorável conforto dos lares e ainda cercado por todos os adorados parentes implorando para que você morra bem depressa. Afinal, eles querem zarpar para os states, fazer footing na 5fh avenue  e gastar toda a herança fruto da usurpação e agora fatiada, nos points como o Macy`s , quem sabe naTiffany ou Gucci. Oh, New york , New york! Longe deles pessoal. Escargots da robauto ferem as entranhas e destroem a alma. Comam sardinha! Ah, essas manias de grifes da moda e pensar que minhas roupas nunca foram "made in porra nenhuma". Que fiz eu então da minha vida? Fortunas nunca amealhei, montanhas de dinheiro roubados não os capitalizei e por esta simplória e imbecil razão tive que dar adeus àquela fácil e aburguesada  viagem ao redor do mundo que não pude fazer! Desculpe minha Itália querida, ti voglio tanto bene e meu Portugal irmão, ora pois,pois, mas continuo preferindo esperar a morte apenas, cercado pela ingenuidade dos meus netos.
E não estou aberto a negociações.
Até mais!

HUMANOS E DEUS.


                                                                 
Desde cedo aprendi que nenhum rio é o mesmo, apesar de suas variadas e continuas águas passarem sempre pelo mesmo leito das suas margens. Rios tem suas águas renovadas à cada instante, elas mudam neste inevitável processo principalmente, em intensidade e qualidade dispares. Quando excessivamente caudalosas ficam esbarrando, corroendo e desgastando os limites impostos pelas suas margens, a extrapolam, invadem regiões limítrofes, causam inundações e destruição, porém, cessadas as causas retornam a normalidade.
Sentimentos podem se tornar rios de correnteza e dimensões absurdas e extrapolarem pelas indesejáveis e descontroladas margens que os continham.
Sentimentos humanos são forças mutáveis e caleidoscópicas que devem ser controladas. Mas ser Deus é um atributo indivisível que só Nele está contigo. Nós os sôfregos e inapropriados humanos, pisamos na bola, chutamos o balde, arrebentamos a boca do balão temos aqueles arroubos grandiosos de surtos que nós levam a arrogância tipica de quem vocifera dizendo aos berros que não chupa o mel e sim, come as abelhas!
Humanos  são farinha do mesmo saco, uns mais controlados, outros mais  contidos e educados porém, todos encurralados na mesma casinha de madeira no alto daquele morro e quando menos imaginam, rolam ribanceira abaixo feitos e transformados em escombros.
Consta que certa vez um seleto grupo de humanos tenha pedido uma reunião com Deus e naquela ocasião disseram:
-Deus, apesar de criados, fomos feitos à sua semelhança e por esta razão viemos pedir para que possamos também criar, fazer e desfazer, transformar, sermos capazes de conquistar o céu e a terra, debulhar o trigo, conter a natureza, estas coisas.
Ouvindo atentamente, Deus coçou a cabeça e disse-lhes:
-Tudo bem, que assim seja, mas em cada uma das suas criações e conquistas vou inocular nelas o eterno germe da insatisfação humana, entenderam?
-Não, desculpe , não entendemos a razão.
-Simplesmente para que vocês nunca pensem que são Deus!
E assim é feito sempre. Amor que vira ódio, fartura que se pode minguar e fazer-se penúria, sentimentos menores de agressões e violência que podem vir a dominar relacionamentos movidos  pela insatisfação e que levam a que mais tarde reconheçamos que eramos muito felizes e não sabíamos.
E onde está o final feliz? Estamos terminando isso aqui movidos pela mesma insatisfação? Nenhuma chance das situações serem diferentes?
Lógico que sim, e a palavra magica é o perdão.
Perdão é muito mais do que uma atitude.
Perdão é uma dádiva que nos foi dada para que possamos aí sim, cada vez mais estarmos conectados em semelhança com Deus.
Exatamente, como a natureza perdoa os rios que se tornam caudalosos e destroem suas margens, e que depois de cessadas as causas das inundações ela permite que ele volte a correr sereno no seu leito.