O TRENZINHO CAIPIRA.





                                                 
                                              in memoriam a HEITOR VILLA LOBOS e à dignidade nacional.



Sou pequeno demais cara, sou do trem que passou ,da nuvem que choveu e escorreu, sou passado, dizem que estou por fora e nem sei!
Sou desse trem Brasil pelo qual lutei, inflamado e caía cansado, sem fôlego mais orgulhoso, vendo rodar acima de mim um céu e sentia-me embalado num trenzinho caipira enfumaçando minha visão com irreais perspectivas de um mundo que, queria transformar, fazer maior e dar aos menores e pequeninos corações que, pululavam em volta,minha mão estendida, minha cota de luta.
Eu era, e continuo sendo cara, essa mesma cara de um mero trenzinho caipira de ideologias para muitos de fachada  e, amor por  esta nação escancarado, amor incondicional, sem pejo nem pudor, intransigente e apesar dos pesares, que se dane se não somos perfeitos.
Meu amor é,isso basta!
Pois, foi  nesta terra com cheiro de mato verde que nossos filhos foram paridos por esta nação-mãe linda de encantos mil salve, salve,desta placenta que arrebentou e estão aí todos os rebentos!
Foi aqui que nossos pais nasceram e agora adubam a terra da qual mágicas flores brotam  e aspergem suas saudades em flores de diversos perfumes de matizes verde e amarelo, copiando as matas e o ouro, nos quais me delicio, muito menos que os nossos colonizadores o fizeram.
Faz parte! Foi assim!Façamos agora, melhor!
Foi aqui que lutei, apanhei nas praças , nas ruas , nos comícios, contra a mão de ferro, contra a ditadura, contra os indesejáveis.
Passou!
Foi aqui que comi o pão que o diabo amassou e amassei a cara do diabo vendido por poucas moedas ao espetaculoso, mentiroso,falso e conveniente mundo lá de fora que, sem eira nem beira explora, "civiliza",impõe regras e jeans, abarrota de quinquilharias e bugigangas  nossas  esperanças de sermos tão explosivos e capitalistas quanto as bombas de Hiroshima e Nagasaki foram e deram, naquela bolsa de valores de ações hediondas, o recado àqueles que tem cabeça para pensar com medo que, eles façam novamente conosco.
Coragem!
Nem quero ser eles, não me importo como eles falam ,seus hábitos e costumes,hamburgers e gordura, falência de corações e de veias entupidas.
Eu vou seguindo com meu trenzinho caipira que aos trancos e nos barrancos quase encostando na minha janela do vagão de madeira,compassado nas memorias dos meus pais, meus irmãos, avós, minhas tias ,  meus antigos sobrados, das festas,do vinho.
Quero a locomotiva antiga, descartada pela modernidade que, entope as ruas e inferniza a vida de quem tem que trabalhar para ganhar poucas moedas, por esta razão continuo sendo cheiro de carvão Maria Fumaça, sou brasileiro sim e daí?
E sabe quem está comigo além das lembranças dos meus antepassados desta minha vida vivida?
Estou com Heitor Villa Lobos, estou com a imagem dos meus avós na cabeça, dos afagos eternos da minha querida mãe dos olhos verdes a Diva que, a vida me deu e, o dedo em riste sábio do meu pai Orlando que, rolava e desenrolava tudo o que desse e para o qual viesse, em minha defesa.
Vivo abraçado a linha de ferro e as pontes eternas que ligavam a esperança ao caráter de um povo que naquela época era pobre, hoje somos ricos, a sétima economia do mundo, e temos muito mais, porém, falta colocar ainda muitas coisas nos trilhos.
E daí, também faz parte!
Faça a parte que lhe cabe.
Mas, não me negue em vida, apesar da bruma,cerração e nevoeiro,continuar a ser este eterno Trenzinho caipira.
É nesse trem que estão todos aqueles que eu mais amo na minha vida!



PS. Não deixem de clicar neste link abaixo e ver as imagens, escutar uma obra imortal pois,do contrário, nada continuará a fazer sentido:

http://www.youtube.com/watch?v=DC8oFe5bkeY

HEITOR VILLA LOBOS

28 comentários:

  1. Feliz quinta-feira!!!
    Postagem diferente e animadora no sentido de nos fazer pensar um pouco mais em muitas coisas, obrigada por isso.

    O tema de nossa postagem para hoje é sobre VC TRABALHA OU TEM EMPREGO?
    diga lá o que pensa.

    Abraço fraterno
    Nicinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLA NICINHA,

      viver é ir juntando os cacos e as garrafas inteiras.

      Um abração carioca.

      Excluir
  2. Oi, Paulo.
    Também tenho saudades.
    Saudades das metalúrgicas paulistanas, seus operários grevistas; das aulas, muitas vezes sigilosas, mesmo no final do regime militar; dos cara pintadas...
    São tantas memórias... lembranças.
    Adorei conhecer sua história e suas imagens (fotos).
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. INA MEL,

      a bruma ainda não escondeu minhas emoções.

      Os nevoeiros da vida sequer ameaçam minha visão do passado.

      Quem não pode olhar para trás,está irremediavelmente afundado na escuridão e esta sim, do presente.

      Um abração carioca.

      Excluir
  3. Respostas
    1. BELL,

      ótima lembrança.

      Igualmente!

      Um abração carioca.

      Excluir
  4. Adorei ler este texto tão belo acerca do seu passado e a forma como falou de sua mãe e seu pai, não esquecendo os avós... Tudo isso acompanhado pela música desse compositor fantástico, Villa Lobos, um dos meus preferidos de sempre, é ouro sobre azul.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LAURA SANTOS,

      ouro sobre auzul foi uma imagem muito interessante a agradeço ter sido relacionada ao nosso trabalho.

      Tenho lembranças vivas e muito agradáveis Laura e, elas fluem em clima de muita saudade, alegria e sempre em deixando um rastro de felicidade, apesar de ser passado.

      Um abração carioca.

      Excluir
  5. Olá, mestre! Dessa vez você falou por nós. Nós, brasileiros que gostariam de ter esse dom de colocar nas palavras a emoção. Somos todos trenzinhos caipiras, sim, com muito orgulho! Bela homenagem ao grande Heitor Villa Lobos sem espaço na mídia transbordante de imbecilidades de funks, esquentas, e por aí vai... Obrigado, Paulo pela belíssima postagem! Abraços!.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VITORNANI,

      uma honra muito grande ler este seu elogio que ,não mereço mas agradeço!

      Somos brasileiros sim, VITONANI e você sabe:Não desistimos nunca!

      Estou indo ´para o seu blog.

      Um abração carioca.

      Excluir
  6. Paulo , parabéns pelo texto ! Belíssimo . Impecável . Perfeito . Me emocionou . Agradeço por partilhá-lo conosco . Beijos

    ResponderExcluir
  7. MARISA,

    Ter emocionado você , talvez tenha sido a projeção explica das minhas emoções, quando escrevi também.

    E quanto as suas generosas adjetivações , creia que esta é a melhor parte de todas as minhas emoções, depois do texto publicado.

    Um abração carioca Marisa Giglio.

    ResponderExcluir
  8. Olá Paulo!

    Parabens pela belíssima homenagem!
    Gosto da intensidade de tudo que escreve. Sabe disso,não sabe?

    Muito obrigada pela visita e palavras deixadas nos blogs!

    Feliz Dia da Criança!
    Que haja uma eterna dentro de você lhe trazendo à tona ótimas recordações e alegrias constantes.
    Sinceramente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então LU,

      a intensidade a que se refere, é a minha mais respeitosa forma de retribuir, por exemplo presenças tão honrosas para mim como a sua.

      tentarei manter-me criança!

      Um abração carioca.

      Excluir
  9. Perfeito Paulo, tudo! Muito inteligente o seu texto , coerência é o que não falta aqui. Resgatar a pureza da criança em nós é uma "intimação" de Deus, somente assim poderemos ganhar o presente que Êle nos prometeu. Nunca foi fácil ser criança, mas por isso mesmo a pureza das intenções forja o adulto do amanhã...As lembranças nos fortalecem e indicam os caminhos. Abração. Feliz dia nosso também!

    ResponderExcluir
  10. CLAUDETE,

    lembranças que nos alegram, revitalizam e motivam para olharmos a diante com força e motivação , é tudo que se precisa!

    E ...Feliz dia nosso também!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  11. Paulo, aqui tudo muito lindo, minha alma se acalma como se estivesse em casa.
    Bjo no coração

    ResponderExcluir
  12. Olá MARA RIBEIRO,

    e está na sua casa!

    Quanto ao resto só me orgulho por tudo que adjetivou e diz sentir.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  13. Uma linda declaração de amor a vida e ao nosso Brasil tão dilapidado de tudo, mas principalmente de cidadania.
    Deu aula.
    Beijão professor.

    ResponderExcluir
  14. BELLA,

    aula quem dá é você pois, a pontaria certeira dos seus comentários, jamais erra o alvo.

    E você não sabe como eu fico grato, quando este alvo sou eu.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  15. Olá Paulo!
    Bonitas recordações desse Trenzinho caipira.
    Adorei
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá DIAMANTINA,

      pensando bem, todos nós trazemos dentro de nós um Trenzinho Caipira, concorda?

      Seja muito bem vinda!

      Um abração carioca

      Excluir
  16. Olá Paulo,
    Brasileiro sempre, embora com saudades de um trenzinho bom que já parece distante... E vc sempre escrevendo de uma maneira intensa e emocionante. E o homenageado é 10 e vc 11, cada um na sua arte. Bjinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então NÁDIA,

      nós não desistimos, nunca. Concorda?

      Aos poucos iremos , sem dúvida nenhuma , encontrar o nosso trem bala do desenvolvimento definitivo.

      É por ai!

      Um abração carioca, amiga.

      Excluir
  17. Oh, Paulo, lindíssimo seu texto exemplarmente completado com essa obra linda do extraordinário Villa Lobos.

    Faço parte de um povo que colonizou seu país e que, desgraçadamente, suportou uma ditadura que não entendeu o passar dos tempos.

    Não peço desculpa, porque o paradigma infelizmente era esse na época. Mas lamento profundamente o sofrimento que foi infligido a quem foi colonizado.

    De qualquer modo, Portugal tem a seu favor ter libertado o Brasil através de um membro da própria Casa Real e sem que houvesse derramento de sangue ...e como diz uma compatriota sua, importante é não de onde viemos para onda vamos, pois isso já é de nossa responsabilidade.

    Abraço grande .

    ResponderExcluir
  18. SÃO ,

    para você nos 100 anos do diplomata,poeta e compositor maior, VINICIUS DE MORAES.

    É só copiar e ouvir no que deu essa colonização.

    http://letras.mus.br/vinicius-de-moraes/49269/

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  19. Oi Paulo

    O dom de emocionar você nunca perde, puxa vida!

    Estou neste trem com você, ou seria o Trenzinho Caipira que está em mim? Sei só que minhas origens não me deixam, nem deixarão jamais, ande nossa economia por onde andar, vigiem os e-mails oficiais quem por medo do gigante quiser vigiar.

    Um dia, em Los Angeles CA, um americano perguntou-me quase afirmando, se eu gostaria de morar em seu país, respondi a ele, que me perguntava aquilo porque não conhecia o Brasil, se conhecesse, ele é que iria querer morar em meu pais.

    Engraçado, que tantas dores este meu país me impõe, tantos descuidos, tantos desrespeitos, tanta incompetência, mas isto não consegue tirar-nos o que de melhor ele nos dá: A nossa origem, no meu caso, caipira pura, e tudo mais que ela representa em nós e para nós.

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. VAN,

    e depois sou eu que emociono!

    Fala sério.

    Veja o seguinte Van, país é um amontoado de montanhas, rios,lagos,cascatas, cidades,prédios,ruas,praças,casas e,tantos ou quantos quilômetros quadrados de fronteiras delimitadas.

    Nação no entanto,assume uma dimensão que transcende pois ,é mãe,útero,choro,canção de ninar,família,calor,afeto,abnegação,proteção,colo luta,amamentação,vida...

    Sabe Van, quem vive somente em um país, muda dele por qualquer razão, mas nós que, fincamos as nossas bandeiras de lembranças nesta nação,útero e mãe, jamais a abandonaremos.

    Nossas romarias serão sempre por esta nação e mesmo que, não saibamos rezar por ela, se eu olhar,se você olhar, se tudo mundo olhar para ela como brasileiro ela nos prenderá sempre nestas repetidas e eternas emoções.

    Escute essa musica Van.

    http://letras.mus.br/joao-mineiro-e-marciano/473180/

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir