JÁ QUE ELES NÃO PODEM FALAR, FALO POR ELES!

                                                                


Antevejo sérias dificuldades culturais para o povo chinês nesta sua conquista mundial futura e a expansão de parcelas significativas dos seus atuais um bilhão e quatrocentos milhões de habitantes através dos seus processos imigratórios para outros países segundo, projeções de cenários estratégicos futuros, pela obviedade histórica de que, nações econômica e politicamente fortes, povoam o mundo.
Foi assim com os romanos, gregos, portugueses, espanhóis e mais modernamente, pelos franceses, norte-americanos, ingleses, enfim.
Então choques culturais inevitáveis tendem a serem acrescentados nesta escalada de conquista, uma delas é a que levou a Policia Federal a denominar de “Pastel Legal”, face às evidências de que, pastelarias chinesas estariam recheando nossos pasteis com carne de cachorro.

Por esta razão cultural, obviamente os chineses não podem ser demonizados, pois, a cultura de cada país segue a tendência de ser formatada como os hábitos que melhor atendem aos seus povos e aos seus interesses maiores e oportunidades de adaptabilidade às duras realidades ao meio ambiente de sobrevivência, que lhe são impostas.
E o ser humano é o único animal que faz cultura!
Todos nós sabemos que este povo passou por terríveis estados de penúria fome e miséria no passado e, sobreviver na maioria das vezes, ganha da emocionalidade de comer aquele animal e poupar outros.
Mao Tsé Tung ao lançar o projeto chinês Grande Salto para Frente de desenvolvimento nos anos de 1958 a 1962, lançou também a Campanha das Quatro Pragas que, deveria exterminar, pardais, moscas, ratos e mosquitos  todos acusados de comerem a pouquíssima alimentação ainda existente em solo chinês, tornando-se competidores indesejáveis.
Pardais e outras aves foram exterminados dos céus, e dizem talvez de forma fantasiosa ou exagerada que, os ratos eram comidos pela população.
Portanto, hábitos culturais que hoje chegam, por exemplo, ao Brasil por parte deste povo e que, por sobrevivência comem praticamente tudo que se move inclusive, cachorros, sem dúvida nenhuma, vai revoltar a todos nós mesmo!


É inadmissível que no Brasil, os nossos “melhores amigos do homem” se transformem em pratos "deliciosos" ou recheio de pasteis de quem quer que seja.
Apesar de toda a compreensão quanto ao respeito cultural alheio, os chineses seriam por aqui demonizados, mesmo, se não respeitarem as nossas.

10 comentários:

  1. A integração que eu defendo passa pelo respeito por quem chega , mas dentro daquilo que é sociedade de acolhimento.

    Nunca aceitarei que em Portugal se pratique, por exemplo, a excisão do clitóris pelo facto de os pais da criança virem de uma cultura que permite tal barbaridade !!

    Caro Paulo, tudo de bom e um abraço grande

    ResponderExcluir
  2. SÃO,

    pensamos exatamente, da mesma forma!

    Quem chega deve realmente, respeitar a cultura do país que o acolhe e não querer impor a sua.

    E o exemplo que você deu é definitivo.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  3. Cruzes! Como também posso lamentar, me horrorizar com certas atrocidades, como mutilar as meninas e outras coisas que fazem parte da 'cultura' de outros países. Pra nós, que amamos os animais e temos com eles uma relação de afeto, não posso nem pensar num ato desses. Como não gosto de touradas, rinha de galos, brigas de cachorros, o 'engorde' de fígado de gansos para fazer o tal patê etc. E a matança das baleias, das focas para vestir as celebridades? NÃO! Isso é desumano.
    Paulo. teu texto é um grito de dor. Não somos obrigados a aceitar tudo que corre pelo mundo, pelo menos falar, podemos.
    Beijo, amigo.

    ResponderExcluir
  4. TAÍS,

    se outras culturas estão chegando ao Brasil que,sejam muito bem vindas e as receberemos todas, ao chegarem quando vierem para ajudar a levar esta nação gigante para dias melhores.

    Somos um país de múltiplas etnias e miscigenado,um cadinho de cultura que nos transforma numa das maires democracias raciais deste planeta.

    Porém, respeitem nossos valores,enquadrem--se nas nossos hábitos e costumes, afinal quem vem para cá tem que saber das nossas realidades e se não as aceitarem, voltem para os seus países de origem.

    O brasileiro ama seus cachorros,são os nossos verdadeiros melhores amigos e não se metam com eles!

    E esta semana , foi aprovada a lei que penaliza com até 3 anos de prisão além de multa, quem praticar atos de crueldade com os nossos animais.

    E Tais," não somos obrigados a aceitar tudo que corre pelo mundo, pelo menos falar podemos" e agirmos quando preciso!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Paulo, é fato consolidado a questão cultural dos chineses quanto a alimentação, entendemos essa questão, mas tão comportamento no Brasil não tem vez, visto que somos um país põe a disposição de quem quer trabalhar matéria prima abundante (nesse caso, carne que não seja de cachorro), acho que esse caso específico, o fator seria mais econômico do que cultural (é mais barato pegar um cachorro na esquina do que comprar a carne tratada e certificada).
    Amigo, conheço a tal "famosa" pastelaria em Cascadura (a tal da carne de cachorro), já passei por lá, mais ainda bem que não como carne...
    Um abração carioca e um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. SU HELENA,

    é uma descabida provocação inclusive, até porque quem chega deve respeitar e se enquadrar no país que abriu-lhes as portas, estar conscientes dos hábitos e costumes locais, exatamente para que sejam evitados estes choques culturais e desnecessários.

    É aquele negócio, o cara entrou por último no ônibus e já quer sentar na janelinha?

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  7. Excelente texto de reflexão...
    :)

    ResponderExcluir
  8. A humanidade é muito pré-histórica...Excelente texto :-)

    ResponderExcluir