CARTA E RESPOSTA.

                                                                      



                                                               


                                                CARTA.

E é quando a saudade aperta que mais sinto sua presença.
Porque você está em mim. Seu cheiro, seu carinho, seu amor estão impregnados em meu corpo.
Me abraço e sinto o seu abraço, me olho e vejo seus olhos, me olhando, guardando a memória do que somos.
Quando a saudade aperta, suas roupas me trazem você, suas fotos mantém sua imagem bem perto e seu travesseiro acolhe meu rosto. Aperto-o contra o peito, faço dele a extensão de seu corpo. Corpo que nunca canso de apertar contra o meu.
Quando sua falta é física, invento uma maneira de trazer seu calor, seus suores e seus sons. Repasso nossa curta história em um longa metragem, curto é só o tempo, não a intensidade.
A presença na ausência é tão forte que me mantém atada, próxima, ao alcance.
Minha mente se transfere para o meu coração e meu coração pensa: sou dele e ele é meu. Não é posse, é certeza, é fado.
E do meu coração às minhas mãos, meu amor transborda em texto que escrevo para acarinhar.
Esse é o trajeto da minha saudade: da mente ao coração, do coração às mãos que estão, nesse momento, não vazias de você, mas cheias dos afetos que trocamos.
Você me acompanha, está comigo, em mim.
Se amor não é para principiante, saudade é para quem sabe amar.
Não sou principiante, sei amar.
Durma bem.
Um beijo.
                                   RESPOSTA.

Amor,dormi e tive um sonho.
Voava por entre cânions de fantasias no quais, vales profundos com paredes rochosas em forma de penhascos, formavam gargantas certamente, moldadas por este seu volumoso rio de felicidade que, abre no calcário da minha existência ,fendas irreversíveis através das quais eu respiro e vejo um céu pincelado de tênues nuvens brancas e inacabadas.
Suas fendas, seus vales,seus penhascos, este seu rio que irrompe alegre em mim,banha,hidrata e mantêm meu amor por você iluminado pelo sol de um  amarelado de purpurinas indescritível,  forte,mormo que, aquece meu corpo em únicas e singulares circunstâncias.
Eu era um pássaro, liberto do mal,liberto na alma,liberto dos garrotes que sempre me aprisionaram  ao tempo inexorável e nos dedos sempre contados, esperando que a natureza desse um dia o sinal e acendesse a luz vermelha do tráfego, aqui por esta vida...fechado!
Eu renascia ali, em alegre voo rumo a um horizonte eterno,monumental, sem dimensão de espaço e tempo.
Eu voava, para o infinito das suas entranhas, destes seus cânions generosos e sempre então que, morria,voltava ao seu interior,  onde você me abrigava e fazia-me nadar pelo rio majestoso da sua vitalidade ,eu saia e era parido mais uma vez - e foram tantas às vezes - para viver muitos e muitos anos, novamente.
Então, eu tinha encontrado em você a fonte da minha eternidade, a razão do nosso amor sem fim , sem aqueles indesejáveis espaços e tempos, nos quais os simplesmente mortais, delimitam-se nas rotinas  menores de dias contados, antes de dizerem adeus a tudo em suas vidas.
E nós renascíamos a cada novo dia deste sempre mesmo amor que, nos tornou imortais.
Acordei bem melhor.
Outro beijo.

24 comentários:

  1. Boa tarde, Paulo. Carta e resposta muito lindas, uma mensagem bem poética, de um amor magnífico.
    Amei a carta, a emoção que deu para sentir aqui onde estou.
    Nada se compara ao amor, ao que sintoniza conosco.
    Beijos na alma e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  2. PATRICIA,

    o amor é um bichinho danado!
    Quando bem tratado responde e retribui.
    É também, uma planta.Se bem regada floresce.
    Finalmente, o amor é o único sentimento humano do qual, não deveríamos jamais,rejeitar.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  3. Vou escrever minha carta de amor, só não teria uma resposta... Belíssimas as cartas Paulo. Bjus

    => Gritos da alma
    => Meus contos
    => Só quadras

    ResponderExcluir
  4. Oi NÁDIA,

    obrigado.

    E afinal você deve continuar tentando, pois um amor aparece ou rejuvenesce.

    Seja qual for o caso, desistir...nunca!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Cariocaaaaaaaaa
    Amigoo que saudadeee...
    Bem eu sei como é esta tal de saudade e quem não há de conhecê-la não é mesmo !? às vezes dói que só, mas ...
    E falando nela SAUDADES táh! A vida ando um tanto quanto corrida e eu cheinha de tesão pra escrever e não consigo rsrs Beijos grande no coração. Vou alí quando voltar já venho rsrs :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. APENAS EU,

      ótimo ter arrumado um tempo.

      É isso mesmo, ,quem tem tempo costuma jogar fora, outros sem tê-lo fazem o impossível para aproveitá-lo.
      Seja muito bem vinda.

      Um abração carioca.

      Excluir
  6. Paulo ,

    Cartas me encantam .
    Escritas com tanta poesia e recheadas de metáforas são deslumbrantes .
    Parabéns .
    Beijos paulistas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é MARISA,

      das coisas antigas, as cartas foram as que mais se modernizaram e se apesar, de algumas terem perdidas aquele odor perfumado que, o remetente lhes embebiam, hoje, chegam mais eletronicamente, por e-mail, mas continuam sempre ,esperadas.

      E se chegam, recheadas de metáforas e poesias que nos fazem parecer, muito mais inteligentes do que realmente, somos, então a saudade e o amor confessado assumem dimensão diferenciada.

      As coisas ditas assim na lata e sem sentimentos demostrados, parecem simplesmente, cartas de cobrança de escritórios especializados.

      Concorda?

      Um abração carioca.

      Excluir
  7. Ola Paulo

    Que linda carta e resposta!
    E que saudade da época das cartas!Ah quanto sentimento passava-se pelas letras muitas vezes tremulas apos varios rascunhos...
    A facilidade de hoje se tornou algo um tanto frio, diante das velhas cartas bem pensadas, bem escritas, seladas para serem enviadas e ansiosamente esperadas por respostas!

    Adoro te ler!

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Oi LU e eu com certeza, adoro ter você por aqui!

    Hoje os e-mails substituíram a textura daqueles papéis especiais de cartas e os envelopes, alguns delicadamente perfumados, lembra-se?

    Às vezes os selos eram cuidadosamente escolhidos, e alguns deles tão bonitos, como bonitas eram nossas motivações por aquele recado romântico.

    Um abração carioca, minha conterrânea.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Paulo, saudades de vir aqui. O amor quando é forte o bastante passa a impressão de que o tempo de vida é pouco para vivê-lo. Achei fantástica a ideia de escrever a carta e a resposta...a primeira particularmente me agrada demais. Também não sou principiante no amor, e isso faz com que consigamos perceber a diferença entre a mor e dependência. Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Pois é BIA,

    certos relacionamentos deveriam ter o tempo que só a eternidade, não sonega, concorda?

    E sabe BIA, atualmente tem faltado tempo, para a grande maioria , em ter tempo também, para encontrar um amor.

    Tenho certeza absoluta, finalmente, que você não é uma principiante no amor.

    Nem pensar!

    Abração de um carioca que ainda tem muito que aprender, nestas coisas mágicas do amor.

    Quer que eu minta?

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Paulo!

    Linda carta e emocionante resposta,parabéns pelo lindo blog!

    beijos

    ResponderExcluir
  12. BELA FLOR,

    e a você obrigado por tudo e volte sempre, e estou indo para o seu blog.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  13. Paulo,

    O amor transcende nossas dimensões e quando encontra solo torna-se simplesmente inexplicável para o coração em que habita. Demais! Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
  14. Olá CRIS.

    Você gostando eu amo então e muito mais tudo que, escrevo sobre o amor.

    Quer que eu minta?

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  15. Passando para deixar um abraço fraternal!
    Nicinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro pra você , NICINHA.

      Um abração carioca.

      Excluir
  16. Como disse alguém "cartas me encantam"
    Fiquei bem melhor depois que li esse post ardente.
    Q saudades do amor ! rs
    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi GRAZIELA,

      saudade de amar daria uma outra e linda carta.

      Afinal o amor é tudo.

      Concorda?


      Um abração carioca.

      Excluir
  17. o mais gostoso de se ler uma carta, é quando se chega no último parágrafo..
    geralmente é lá que colocamos tudo o que não dissemos nas linhas anteriores e pessoalmente, talvez..
    quando elas existiam só no papel, eu lia correndo, pra chegar no último parágrafo..
    depois com calma, relia, relia ..
    nossa..voltei legal num tempinho perfumado..cheio de dobrinhas especiais nos papéis de carta..rs

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOL,

      uma carta de final desesperado de amor e saudade é tudo no mundo, concorda?

      Não há Nhá-Benta nem a última bolacha do pacote que supere.

      O coração inflama e o corpo clama por um beijo demorado, qualquer dia, e na hora sabe-se lá qual...

      Enfim,quer que minta?

      Um abração carioca, "Falando sério" e o mais próximo possível de todas as dobrinhas disponíveis nas cartas e nos mapas de corpos sedentos de amor e prazer!

      Excluir
  18. Cartas são sempre tão especiais! Adorava receber e enviar cartas aos amigos. Hoje são só os emails. Fazer o quê?

    Adorei a troca, feita com ternura e palavras gostosas de falar e ouvir! Falar e ouvir o amor é sempre muito delicioso.

    Lindas cartas, PAULO!

    ResponderExcluir
  19. Olá Paulo!!

    Primeiramente, muito obrigada pela visitinha no meu blog!

    AMEEEIII a carta!! Tão delicada, tão simples, que não há anti romântico que a resista, rs!

    Fiz um tour por alguns de seus blogs (ainda ñ li todos!) e curti muito!! Muito bacana ver blogs bem escritos e de conteúdo! Você está de parabéns!

    bjs e abraços carioquíssimos!!

    ResponderExcluir