MORRO AZUL DO TINGUÁ.

ONTEM, MUITO ONTEM.

HOJE.



Que pena!
Meus melhores momentos não serão eternos
A infância deveria ser eterna sempre que nela contivesse a saudade que sinto do ar que respirava na época que usava calça curta e do respeito que um caboclo de pé no chão de Morro Azul do Tinguá dispensava a quem quer que por ele passasse com um humilde,recatado e simples cumprimento de educação.
Balançava a cabeça e desejava o bem, de acordo com a hora do dia!
Morro Azul do Tinguá é o segundo distrito de Paulo de Frontin e o terceiro é Sacra família, no entanto, é o primeiro na minha alma e dentro de tudo aquilo que, me faz ter após tantos anos uma absoluta e integra imagens de meus pais e meus irmãos quando por lá passávamos nossas férias escolares.
Não tenho mais meu pai, nem minha mãe.
Não tenho mais nenhum dos meus outros dois irmãos.
E pensar que todos nós,por lá nunca encontramos cassinos, aeroporto,shopping Center nem imensos edifícios,porem andávamos todos de mãos dadas pelo meio dos dormentes da estrada de ferro.
Todos de mãos dadas.
Naquele pedaço do Rio de janeiro que permanece quase esquecido e por onde passava uma estrada de ferro que ia até vassouras, tudo continua muito pouco urbanizado, apenas o essencial, apenas o mínimo necessário.
Se vocês olharem à direita deste blog verão todas as fotos  do que eu vivi na minha infância e o que, não conseguiu morrer até hoje na minha lembrança.
É por esta razão que tenho muito medo de morrer.
Eu não queria nunca esquecer aqueles melhores momentos da minha vida e que, eles jamais deixassem de ser eternos.
Só isso.
Que pena!



42 comentários:

  1. O que vale é que vc guarda lembranças boas... de lugares e de pessoas... e isso nao tem preço...

    Emocionante o que vc escreveu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. FRIDA,

      e aqui o melhor do que eu poderia esperar foi exatamente esta palavra mágica ressaltada por você, reconhecendo que tenha sido emocionante o que eu escrevi.

      Frida,andamos pouco premiados,hoje em dia, por estas verdadeiras e inesquecíveis emoções.

      É como se um consumismo incontrolável trocasse a linguagem subjetiva do coração e as necessidades etéreas da alma, por quinquilharias materiais que se amontoam sobre nós,enferrujando e tornando-se inúteis em pouco espaço de tempo.

      Aquelas outras lembranças exigem como pagamento só a felicidade que nos proporcionam,quando as rememoramos.

      Creio que tenha sido exatamente, isso que você tenha chamado e com muita propriedade de emoção.

      A que verdadeiramente fica.

      Um abração carioca.

      Excluir
  2. Paulo,
    As lembranças que guardamos dentro de nós jamais se apagam. Os anos passam, pessoas queridas partem e nos ficamos com tudo dentro de nós... As lembranças são poderosas, nos remetem a épocas tão preciosas, as de minha infância que gosto de viver com frequência, eram as tardes em que nos reuníamos (eu, meus irmãos, tios e minha avó, todos em torno de uma mesa rústica, no quintal de casa, ao lado um fogão a lenha e um bule até a boca de café, vovó servia à todos, naquelas canequinhas de ferro e junto um bolo quentinho de fubá... Uma lembrança tão viva dos meus 6 anos de idade... Lindo texto, fez-me relembrar um momento querido de minha infância.
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sub helena ,

      e aqui pra nós , um bolo quentinho de fubá servido pela vovó, é tudo de bom na vida!

      Sabe,se eu voltasse a nascer,daria agora à minha infância,a cada dia dela,a cada brincadeira, um valor tão diferente...

      Em geral, por não sabermos que nos espera depois, damos a nossa infância um mero ritual de passagem e loucos para sermos logo adultos e desta forma fugirmos daquela adjetivação das garotas que sempre que a gente gosta delas, como resposta vem aquele frustante:
      -Sai daí seu fedelho!
      Hoje gostaria de continuar ser um, mas com tudo que me cercava.

      Abração carioca.

      Excluir
  3. E que bom que você conseguiu colecionar lindas historias, talvez o homem tenha mudado o cenário, mas a verdadeira essência do que apenas a simplicidade traz com ela hoje vive e lateja forte no baú de recordações do seu coração, e como dizem que viver é recordar, viva com intensidade todos os momentos que esses pensamentos trazem pra si.
    Deixei um desafio pra vc lá no blog, desejo muito que aceite, mas caso não queira, continuamos amigos, certo?!
    Forte abraço!

    Fabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SOL DA MANHÃ (FABI)

      recordações são bordados de fino trato que ficam impressos em nossa alma iguais aqueles que são feitos pelas competentes rendeiras de Bilros.

      Quantas vezes tentamos encontrar a felicidade e a paz em momentos externos ou apelos consumistas,se no que a nossa verdadeira vida não está na troca de dinheiro por quinquilharias.

      Nossa felicidade é ter amigos virtuais como você e olhar para dentro de nós e encontrar os vestígios fortes de uma vida, vivida com tanta intensidade!

      Vou lá sim,no seu blog.

      Um abração carioca e obrigado pelo carinho e atenção.

      Excluir
  4. Paulo,
    A infância é uma época inesquecível, enxergamos tudo e todos com olhos da bondade e pureza.
    Os pequenos gestos tinham significado tão importante, o carinho e o afeto recebido jamais serão esquecidos.
    Tenho boas recordações. Meu pai que já faleceu foi maquinista da Cia Noroeste do Brasil,.e nos fundos da minha casa, existia uma linha ferroviária, um desvio. Quantas vezes brinquei naqueles dormentes, correndo com minhas irmãs e outras crianças. Acordava e dormia com o apito de trens, imagino que hoje não dormiria um dia sequer....rsrs...
    Que saudade prazeirosa senti, muitas recordações de bons momentos.
    Essa estrada de ferro não existe mais no centro urbano da minha cidade, passa por fora, devido ao movimento e trafégo de veículos. No meu coração nunca será esquecida!!!! Rê!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CELIA,

      pois é!

      Optamos por entulharmos nossas ruas e carros o que transformou as cidades mais feias ,estressadas,poluíveis, mas foi aquilo que decidiram.

      Eu particularmente, sou um adepto incondicional do transporte ferroviário e quando íamos para Morro Azul do Tinguá apanhávamos dois trens, pois, tínhamos que fazer a famosa baldeação de um trem para outro que era uma Maria Fumaça.

      Tempos ótimos, saudades de tudo...

      Obrigado por tudo e um abração carioca.

      Excluir
  5. Boa tarde meu amigo !!! acho que posso te chamar de meu amigo, né!!! sem palavras para te falar, vc é uma pessoa muito especial!!! graças a Deus que tem pessoa como vc!!! seu blog é a melhor coisa para este mundo cruel!!! tiraram tudo mais graças a Deus que não tiram as nossas lembranças!!! por isto fico muita agradecida e honrada em ser sua amiga, obrigado por ser meu amigo!!! sou sua seguidora, obrigado pela visita no meu simples blog!!! parabéns pelo lindo blog!!! que Deus continua abençoando cada dia mais!!

    http://rubiaartes.blogspot.com.br/

    Beijinhossssssssssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. RÚBIA KENES,

      eu fico muito honrado por você estar aqui e realmente,poder cultivar boas lembranças e repartir com vocês em última análise, significa que continuamos vivos!

      Que Deus continue a nos dar a possibilidade de podermos recordar e continuar a sermos felizes por isto.

      Um abração carioca e volte sempre.

      Excluir
  6. Cheguei aqui tb e me encantei mais ainda. Permita-me de dizer uma coisa,
    a tomada de consciência da mortalidade faz parte do nosso processo de amadurecimento e um dia você vai descobrir que não precisa ter medo da morte ela não existe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MALU SANDENBERG,

      se você não demorar muito eu espero pela sua explicação por toda a eternidade.

      Quero ter todo este tempo, quero ter toda esta esperança.

      Mas repare bem, se você achar que me explicando eu estaria liberado desta vida e poderia então morrer, lhe clamo em posição de respeitosa genuflexão contrita que,neste caso, esqueça esta explicação. (rs).

      E só uma correção :eu não tenho...é pavor!!!

      Um abração carioca.

      Excluir
  7. Aqui estou, obrigada pelas indicações e pala tua linda visita ao meu blog, leitura e comentário. Já te sigo.
    Então, Paulo, este tempo da infância, infelizmente, não volta. À medida que crescemos vamos agregando o progresso em nossa jornada, vamos ficando reféns das coisas da sociedade, das ideologias de incultição. Adorei tua crônica. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EDITH LOBATO,

      "reféns das coisas da sociedade" é o ponto crucial do nosso chamado de processo de maturidade.

      Lembro sabe de que também da minha infância?

      Agora neste caso caso especifico do seu elogio,lembrei também da minha mãe, pois ,ela exatamente como você costumava dizer que adorava tudo que eu fazia.

      Edith Lobato isso foi um elogio!

      Um abração carioca.

      Excluir
  8. PAULO:Guardar as coisas boas, bem no fundo do coração! É maravilhoso demais.Abraços e tudo de bom, meu amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MARIA ADELADIA,

      e haja fundo neste meu coração,fundo profundo, intenso,denso,vasto verdadeira planície extensa onde caibam tantas e variadas recordações.

      Pensar no primeiro amigo, na primeira pré-namorada platônica (rs),

      Você não vai acreditar Maria Adeladia, mas eu dancei bolero nos bailes da cidade.

      E por favor não comente isso com os jovens ele vão pensar que "bolero" é um jogo novo de game!

      Não sabem o que perderam!!!

      Um abração carioca.

      Excluir
  9. Paulo Tamburro,
    As lembranças de infância, às vezes chegam sem dó, nos transpõem para uma época feliz, nos traz essa nostalgia de sentir o que não se pode mais viver, apenas reviver. Muito bom texto, abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hígia Esculápio,

      mas são boas, nos remetem a momentos que marcaram e continuam trabalhando dentro de nós como se fossem roda d'água a puxar do rio das nossas vidas, as lembranças.

      Acho que é feliz um ser humano que pode olhar para trás e ver que valeu à pena!

      Concorda?

      Um abração carioca e muito obrigado pela atenção.

      Excluir
  10. Amei este Blog! Fala Sério! Ah infância, infância, ontem mesmo estava a lembrar como a minha foi maravilhosa, com certeza são momentos eternizados, como todos os melhores momentos!

    Abraço letrado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. GILMARA,

      e nada melhor do que estes momentos eternizados,os quais nos fazem manter de pé e termos a nítida certeza de que continuamos vivos.

      Concorda?

      Um abração carioca.

      Excluir
  11. Paulo, que lindo texto, me fez lembrar de momentos esquecidos de minha infância... Valeu a pena a visita, estava visitando o blog de uma amiga e cheguei ao seu, ou melhor "aos seus", grata pela leitura agradável que experimentei, um bom dia, beijo. Sam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SAMANTHA,

      que ótimo ter encontrado algo que lhe satisfez,pois a vida é assim mesmo às vezes o inesperado nos faz uma surpresa.

      Bem vinda .

      Um abração carioca.

      Excluir
  12. Olá, Paulo! Dos meus maiores medos um é de perder a memória. E quem não deseja perdê-las, certamente é porque tem as melhores. lindas imagens e como é bom querer ter por perto o registro de uma infância que foi essencialmente feliz. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. BIA,

      efetivamente uma das possibilidades mais dramáticas para o ser humano é perder todos os seus arquivos afetivos e emocionais ,aqueles que lhes mantiveram vivos!

      Um abração carioca.

      Excluir
  13. Ah mas que época boa! Também passei infância num lugar que guardo com saudade. O tempo não volta, mas guardamos as impressões e as sensações vividas e, assim, felizmente podemos acessar nossas lembranças e sorrir para a vida.

    Grande abraço, meu amigo! Grandes lembranças

    www.lucadantas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. LU,

    são estas sensações vividas que nos fazem a creditar que vale a pena estarmos vivos e termos no presente tantas motivações positivas para continuarmos a nos mantermos de pé e enfrentarmos o muito que ainda vem por aí.

    Grande abraço também minha amiga e estou sempre por lá no seu excelente blog.

    ResponderExcluir
  15. Também guardo na memória e no coração lembranças doces da minha querida infância.
    Lindos momentos seus.

    ResponderExcluir
  16. MARIA TEREZA,

    que bom que assim aconteça!

    Sabe ,acho que a felicidade começa com as boas lembranças.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Paulo. Momentos inesquecíveis são para nos lembrarmos de que tem valido a pena!!
    Tenha lindos dias. Bjs

    ResponderExcluir
  18. FILHA DO REI,

    e sem valido, minha amiga, tem valido muito e espero que continue para todos nós!

    Ótimos dias pra você também e um abração carioca.

    ResponderExcluir
  19. Oi Paulo

    Lembranças assim são uma fonte inesgotável de alegria e ânimo em nossos dias.
    Se perder o caminho algum dia, volte ao início, procure o que perdeu lá onde começou a trilhar. Quem trilhou tão bons caminhos sempre saberá para onde ir, teve ponto de partida que poderá recriar sempre: as estações ainda existem apesar do mato a recobri-las.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VAN

      é verdade ,principalmente em relação aos caminhos "trilhados" pelos trens das nossas lembranças e que hoje, com a opção pelo transporte rodoviário, entupiram as estradas e canibalizaram,destruíram e abandonaram as ferrovias que hoje só transportam minérios de ferro!!!

      Uma lástima!

      Não é saudosismo não, mas duvido que isto seja progresso pois, na Europa,Oriente e nos E.Unidos, as ferrovias interligam todos os estados das federações e países.

      Um abração carioca.

      Excluir
    2. Paulo,
      vou te contar uma coisa, uma vez fora do Brasil, alguém foi tirar do lugar uma mesinha de canto minúscula com um pequenino tampo de mármore Bahia...A dona da casa acorreu apavorada quase gritando "careful with my precious table, is marble", ao que a pessoa rindo respondeu, "mármore?" Com isto lá no Brasil fazemos é piso de área de serviço, pedaços do tamanho desse tampo a gente encontra lá é no lixo...ao que a dona da mesa preciosa respondeu "that is why you are poor" rsrs

      Talvez a pobreza consista em não valorizar o que tem valor.

      Beijos

      Excluir
  20. Olá Paulo, lindas lembranças! Tem cenas da nossa infância e juventude que ficam "tatuadas" na nossa memoria! As estradas de ferro por onde os trens passavam é como se estivéssemos "vivendo" agora...As chegadas, as partidas...os encontros nas estações! Os trens traziam e levavam "sonhos"...Obrigada pela oportunidade dessas lembranças que voltam com "cheirinho" de campo, grama molhada, cachoeira...banho de chuva! Feliz semana, Abraços...

    ResponderExcluir
  21. NYCE,

    NYCE PINTO,

    pois é,você realmente viveu o melhor tempo das nossas vidas.

    Obrigado você por ter enriquecido com este comentário a realidade que,se foi e agora restaram as estradas entulhadas de carros fumacentos que não comportam mais veiculo nenhum...aliás só comportam a nossa tristeza de estarem chamando isso de progresso.

    Um verdadeiro filme de terror!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  22. Que lindas lembranças, puras... Também tenho as minhas lá no interior de Minas, no meio do mato... Uma infância muito simples e muito feliz, vivi coisas que minha filha(hoje com 5 anos) nem acreditaria.
    O bom das lembranças é que revivemos tudo o que nos marcou, os seus se foram mas continuam enraizados em teu coração.
    Sabe, creio muito na intercessão, pra mim, cada um dos meus que se foi, cumpre um papel especial de anjo em minha vida.
    Que doces lembranças lhe afaguem.
    Um abraço, lu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LUCY,

      que todos os que se foram realmente,cuidem de mim!

      Um abração carioca.



      Excluir
  23. senti muita saudades de minha infância

    ResponderExcluir
  24. Paulo,
    Que saudade!
    Você me emocionou!
    Senti a presença das lembranças da infância que trago comigo.
    Guardo o que de bom foi vivido, que marcam a nossa história pessoal.
    Sensibilizou-me por eu também não ter mais meu pai e minha mãe, nem meu único irmão.
    Mas sigo com sonhos, ligada à família que construí, que graças ao amor, ainda caminhamos de mãos dadas.

    Um grande abraço, meu amigo.
    Temos muito em comum.


    ResponderExcluir
  25. Oi Paulo, vou deixar aqui a letra de uma canção do Guilherme Arantes, Antes da chuva chegar, que eu amo e que usei na segunda crônica do meu blog.... "Sinto agora que o vento traz coisas de longe de casa, libertando a voz. São lugares perdidos e imagens confusas de tempos que não voltam mais. E pessoas com quem convivi, suas palavras, seus sonhos, seus atos, seus modos de ver a vida. Olha o que o vento traz antes da chuva chegar....Pela rua deserta e forrada de folhas caídas que voam ao léu, corre o meu pensamento no rastro das nuvens pesadas que habitam o céu. Vejo a casa na qual me criei, vejo a escola, o jardim, vejo a cara de cada um dos meus companheiros. Olha o que o vento traz antes da chuva chegar!".... Não tem como não olhar para trás e lembrar de fatos que marcaram as nossas vidas, principalmente nesse tempo em que os nossos passos estavam se formando. E ser saudosista, não significa que paramos no tempo ou que desejamos continuar vivendo naquela época. Ser saudosista é permitir que a saudade nos lembre quem somos e das nossas raízes e que muitas vezes, deixamos de lado. Vc me emocionou muito com o que escreveu, voltei lá no meu tempo da infância querida e marcante e sempre que faço isso, apesar de algumas dores, me sinto muito bem. Somos nós gritando dentro de nós para não esquecer de nós! Nossa, como é bom ter boas lembranças para lembrar, eu passaria a noite toda aqui, com uma caneca de café, falando desses tantos "causos" que me viu crescer! E as fotos são incríveis, te vi passando por cada cantinho! Então, meu caro, seja saudoso sempre, isso não significa que o teu hoje não valha a pena, muito pelo contrário, abraços....

    ResponderExcluir
  26. Eh boa saber que você passou a sua infância lla, assim como eu passei. Estou muito afim de fazer um documentário de la, Morro Azul sempre foi e sera a minha vida

    ResponderExcluir