SOBRE A SUA AUSÊNCIA E O ADÁGIO DE ALBINONI.

                   

Não é possível que nós seres humanos tenhamos a sábia capacidade de elencar com eficácia presumível e desejável as nossas mais desejáveis prioridades, aquelas que nos trariam o conforto de uma viagem em primeira classe no transatlântico de alto luxo das nossas existênciais expectativas afetivas.
Como são nossas, são sempre as mais importantes. Como são nossas as de ninguém as supera, e se falamos da ausência do ser amado,então nada faz o chão tremer tanto sob os nossos pés.
Ausência é um chá amargo com gosto de xícara mal lavada, de aspecto turvo e intragável,do primeiro ao último gole.
Parece que estamos sobrevoando em um precário aviãozinho de última categoria, um imenso deserto e de olhos atentos ficamos inquietos na cabine à procura de algo que não seja areia, e quando aparece lá embaixo um verdejante oásis, com água e árvores imensas de sombra, é somente mais uma miragem.
Isto significa que teremos que sobrevoar mais tempo, ir mais além, percorrer muitos mais dias, esperar por novas possibilidades menos angustiantes.
E ao esperarmos, fazemos figa e tentamos aprender novas fórmulas salvadoras em qualquer cadinho de bruxo experiente ou quem sabe, com um bom e caridoso gnomo amigo.
Afinal, a missão deles na Terra é sempre guardar e amar árvores e jardins e se deles,então conseguimos aquela esperada poção mágica, você que nasceu flor, jamais irá morrer em meu coração.
É possível que nada disso aconteça ou nada seja mais forte do que sua desnecessária ausência, e aquele transatlântico de luxo vire canoa e afunde, o chá amargo se transforme definitivamente em fel, o aviãozinho entre em pane e se espatife em queda desgovernada, os gnomos abandonem irresponsavelmente os jardins e os ventos contrários se tornem vendavais destruidores de todas as construções afetivas que erguemos.
Perdido então neste labirinto do qual nem o mitológico Minotauro grego conseguiria sair, de repente e de forma inusitada, faz-se uma calmaria, um silêncio incomum paira por todos os lados e a música que ouço é o Adágio de Albinoni.
Então, a cada nota musical vejo você representada, em dança leve nos passos de um balé mágico, correndo em minha direção, sôfrega, mas determinada, querendo me abraçar.
Uma grande orquestra sustenta em mim aquela fantasia inesquecível da sua presença e, os movimentos de bemóis e oboés de sons vigorosos agora abraçam os nossos abraços, os corpos dos instrumentos entrelaçam-se aos nossos corpos e posso ouvir sua voz balbuciando seguidamente em meu ouvido: Eu te amo!
Fico sem saber se aquilo foi uma fantasia ou realidade,se estávamos juntos mesmo ou apenas, mais uma vez, de passagem.
Seja como for, nem quero pensar em provocar novas ausências e, nada será mais definitivo para mim do que aquilo que meus ouvidos escutaram e saído da sua boca.
Eu não podia estar sonhando!


PS- CLIQUE NO LINK ABAIXO E OUÇA O ADÁGIO DE ALBINONI, POIS , SÃO SEIS MINUTOS E VINTE E SETE SEGUNDOS DE UMA ETERNA PRESENÇA DE BELEZA.
ORQUESTRA: ADRÉ RIEU.
COMPOSIÇÃO :TOMASO G. ALBINONI.
http://www.youtube.com/watch?v=BKJNcN89RMc

15 comentários:

  1. Passando para contemplar mais esta postagem com tema interessante e a sua expressão mais ainda.
    parabéns!!!!
    Abraço fraterno
    Nicinha

    ResponderExcluir
  2. Não vou me prolongar para não quebrar a magia do texto: BELÍSSIMO! Um xero carinhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NÁDIA,

      é sempre bom quando agradamos!

      Um abração carioca.

      Excluir
  3. Retribuindo a visita ao Placa de Neon!

    Abraço,

    Dydja

    ResponderExcluir
  4. DYDJA,

    gostei realmente!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso texto e música condizente, Paulo!
    Que posso dizer?!... Que todo o sentimento de ausência pode ser um longuíssimo adágio.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi LAURA,

      que frase lindíssima você bordou!!!

      Nada pode ria ser melhor do que você ter colocar a ausência como um "longuíssimo adágio".

      Gostei.

      Um abração carioca.

      Excluir
  6. Olá Paulo!

    Sonho e realidade, se misturando e confundindo. Que seja!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. PAULO,

    Só agora vi e escutei o vídeo indicado. Desconhecia esse compositor italiano, tal como sua obra, que estive lendo na Wikipédia.

    Amei as imagens do vídeo e a música, também. Quanta leveza, sonoridade e beleza!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luz,

      Esta música está no filme : Enigma de Kasper Hause. Já viu?

      Um abração carioca.

      Excluir
  8. Lindo texto !!! Espetáculo de música...não conhecia !!Perfeita composição !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosangela Brunet,

      Esta música, também faz parte do filme :Enigma de Kaspar Hauser do diretor Werner Herzog e trata-se de um clássico da cinematografia alemã,contando a história de uma criança abandonada em um porão e que, cresce sem ter contatos com os seres humanos,agora então liberto por um misterioso homem.
      E então, começa a trama.

      Eu aconselho.

      Um abração carioca.

      Excluir
  9. Música e texto em harmonia...bela declaração de amor e sonho...verdadeiros!!!abraços meus.

    ResponderExcluir