QUANDO ME FIZ HOMEM, CHOVIA.





Lembro que, como um todo, meu corpo já não era mais o de uma criança.Agora já não preferia mais a exclusiva amizade de meninos.Queria as meninas,conversar e tocar nelas, sentindo a diferença da maciez da sua pele em relação a minha.De forma demorada percorria o contorno dos seus olhos, o volume daqueles cabelos,e fazia um ponto de parada obrigatória nas suas bocas.Isto me excitava.Impreterivelmente.Os lábios delas pareciam estar sempre,convidando os meus.Os via entreabertos e molhados.Era a boca  dos meus desejos.Ali começava o corpo de uma mulher.E tinha a certeza de que os desejava por impulsos incontroláveis de força interna que explodia,avermelhava meu rosto,queimava a ponta das minhas orelhas,acelerava minhas batidas cardíacas.Era tudo muito novo.E o novo amedronta.Minha vida agora seria diferente daquela que brincava sob o reinado infantil.Acabara minha inocência. Olhava para os ventres delas e pensava como nós tínhamos o poder.De nós dois, mas um viveria.Uma irresponsável euforia que me arremessaria sobre corpos ávidos daquilo que eu desejava, também.Era um adulto.Quando eu me fiz homem, chovia.Eram as minhas próprias lágrimas que molhavam o chão da minha vida.E escorregando aqui e ali,acabei conhecendo o amor de uma mulher.Era mais do que uma boca, um ventre.O amor de uma mulher seria a minha própria vida.Então morri muitas vezes.E sempre que renascia, nem me lembrava do tombo anterior.Assim foi e continua sendo até agora.Mas,neste momento,parece que não é só uma chuva que se aproxima,mas talvez as intensas águas de um derradeiro temporal.

19 comentários:

  1. Encontrou finalmente a alma gémea, é?

    Oxalá assim seja, Paulo!

    Abraço grande e parabéns pelo belo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá SÃO,

      decididamente, já estava me ressentindo da sua contumaz presença por aqui.

      Obrigado, mais vez, por sua generosidade critica!

      Um abração carioca.

      Excluir
  2. Muito expressivo e encantador ao mesmo tempo, é a personalidade encontrando o seu outro lado, aquele lado que nem sempre as pessoas querem reconhecer que existe dentro delas ou precisam realmente ser descobertas.
    Da vontade de ser a personagem, embutida nas entrelinhas, porque no final todos precisamos ser algo para alguém, mesmo que seja para nós mesmos.
    Você sabe que em muitos assuntos prefiro manter a neutralidade, mas neste caso, ao ler está servindo para mim também, obrigada.
    Gostei muito de seu texto Paulo, parabéns!!!

    Nicinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PERSEVERANÇA,

      é sempre muito bom termos pessoas análogas, iguais,em consonância com os nossos momentos,realidades e fatos.

      Desta forma,temos a impressão que nos fortalecemos e somos todo mundo.

      Gosto de ser todo mundo!

      Um abração carioca.

      Excluir
  3. Que texto bonito , Paulo . Gostei muito . Aproveito para lhe agradecer as generosas visitas ao meu espaço . Abraços paulistas

    ResponderExcluir
  4. MARISA GIGLIO,

    é sempre no amplo espaço do seu blog que eu encontro a pequenez das minhas dúvidas e por lá sempre me apresento.

    Sempre saio revitalizado!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto Paulo..bastante reflexivo e bonito!!
    Abraços.Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá SANDRA,

      se deu para refletir,melhor assim, pois não foi em vão!

      Um abração carioca.

      Excluir
  6. Respostas
    1. NÁDIA,

      você sempre generosa.

      Um abração carioca.

      Excluir
  7. É Paulo, nao é nada fácil crescer e se descobrir um ser sexual pronto para lá petit morte. Sei que não foi exatamente dessa morte que falaste, mas o fato é que quando amamos, morremos sim, em cada decepção, em cada pedacinho de ciúme, e morremos em cada gozo, pois essa é a mais notável e conhecida morte que o homem pode descrever.
    Vendaval? Vixe, espero que não seja uma morte tão certeira, mas apenas um pouquinho de morte...
    Querendo te consolar [ e talvez assim ainda arruinar mais o ânimo] com ou sem chuvas e temporais de amor, o certo é que quanto mais vivemos mais morremos, e se valeu a pena, o bom é se gastar e se deixar gastar, o resto a gente enxuga com uma toalha,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah ,Ok, tem mais lá embaixo, vamos lá (rs).

      Excluir
  8. esqueci de te enviar minhas beijokas doces.
    beijokas doces

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi MARLY,

      minha tradicional amiga da blogosfera e por quanto tempo temos seguido um ao outro e comentando, enfim...

      E seu blog continua espetacular!!!

      Um abração carioca e obrigadíssimo pelas beijocas e quer saber? Nem precisa ser doce! Apesar de que não sou diabético.(rs).

      Excluir
  9. É linda a descrição que você faz desse corpo que deixa de ser um corpo de criança. De quando para um rapaz, as meninas começam a chamar atenção, a fazer eclodir o reconhecimento de como que uma revelação que atrai. Poderia ser o cabelo, como diz, a pele mais suave e os olhos, no entanto os lábios surgiriam como a fonte mais inspiradora de desejo; o regresso ao mundo iniciário da água.
    Desejo que progressivamente descerá ao ventre. Mas toda a novidade que mexe com as nossas entranhas , deixa-nos em sobressalto , e todo o crescimento é feito de tentativa de conhecimento do outro e de auto conhecimento, processo no qual nos atiramos de cabeça, e tantas vezes nos espalhamos ao comprido. Morremos algumas vezes, mas renasceremos outras tantas.
    Paulo, acho que já falei demais, e nem sei se entendi o sentido do teu texto...:-)
    xx

    ResponderExcluir
  10. Oi LAURA,

    quando a gente sente verdadeiramente, a real percepção do que passamos, via de regra costumamos ser mais explícitos ao descrever.

    Minhas impressões pretéritas e atuais sobre as mulheres e o amor são em linha reta e portanto fácil de seguir.

    Não costumo vivenciar em círculos minha vida afetiva e nem deixar que outros não a compartilhem.

    Veja que interessante, pois o mundo acha que compartilhar desgraças,infortúnios, as mesmices enfadonhas do dia-a-dia estressante, isto sim pode!

    Levar para as pessoas sensíveis como você, as nossas melhoras alternativas, não poderia?:

    Lógico que sim!

    É por esta razão que alguns textos ficam exatamente, a minha cara!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  11. Oi Paulinho, pois é levar tombos faz parte da vida, cair, levantar e começar um novo ciclo. Agradeço de coração a sua visita ao nosso blog. Seus blogs são ótimos, sou eu que anda sumida da blogosfera, devendo visitas à todos blogs amigos, me perdoa. Feliz Natal!
    Beijos na alma,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIMONE,
      eu sei que o dia à vezes precisava ter 39 h.(rs)
      Sei disso.
      Tudo de bom pra você também.
      Um abração carioca.

      Excluir
  12. Lindo, lindo ❤️❤️❤️❤️

    ResponderExcluir