CONTRADIÇÃO.

                                                    



Tudo aquilo que acontece com a gente são as coisas mais importantes do mundo, afinal foi com a gente e, nós somos a nossa melhor companhia.
No outro nós respeitamos a dor, a ausência, os desencontros e a isto chamamos solidariedade, mas em nós,sentimos,vivenciamos,
curtimos cada minuto das coisas que dilaceram, apoquentam, colocam à prova nossa coragem, insultam a ordem natural da felicidade que lutamos para preservar, por esta razão quando é com a gente o buraco é muito mais embaixo!
Nada mais humano, natural do que este cheiro absoluto e definitivamente atávico de sobrevivência e que, nos instiga à luta, mexe e remexe tudo por dentro, e na escuridão daqueles momentâneos sofrimentos nos leva a acendermos os nossos derradeiros e poderosos refletores.
Eles irão consumir a energia estocada em nós e com a qual responderemos à altura as agressões que a vida nos faz.
Ilumina-se então o novo palco da vida no qual colocaremos todos os nossos personagens e seus textos elaborados durante todos os anos, até chegarmos ali.
E musica também, tem! E tem balé mágico com sapatilhas douradas, contrariando as brancas de sempre, afinal agora é tudo ou nada, sem mesmices!
De repente a platéia se levanta. Aplausos demorados. Alguém nas cadeiras do meio grita: Bravo!
Pronto ganhamos mais uma, é a volta por cima, encontramos as forças necessárias, nem demos a menor bola para o azar, viramos a cara e definitivamente para o destino, fizemos a curva, encontramos o atalho, desempenho grandioso, digno de um grande final do majestoso Cirque du Soleil e, ainda não foi a vez da encenação final da morte do cisne.
Essa retomada das forças vitais, do controle que podemos exercer sobre as agressões inevitáveis da vida ao passar dos anos das nossas existências, por mais contraditório que possa parecer, nos vem dos exemplos que identificamos e refletimos sobre aquilo que os outros estão passando,sofrendo, e convivendo.
É olhando para frente que buscamos novos amanhãs nos horizontes da vida, porém nunca duvide que é olhando para o lado que vemos os mais definitivos exemplos.
Olhar para o lado está muito mais próximo, a distância é muito menor, ficamos cara a cara com a verdade, descobrimos que é da fraqueza que o outro padece que, nos fortalece a combatividade.
É no outro e suas mazelas que, as nossas encontram o diálogo certo para temos conosco mesmos, e assim, verificarmos que, se em nós as dores são sempre as mais importantes e não nos outros, mas é na deles que renascemos em lúcidas transcendências para continuarmos de pé.
É exatamente, como se todos os dias vivêssemos reclamando que não temos muitos sapatos e ao olhar para o lado víssemos que,o outro não tinha as pernas. 

18 comentários:

  1. É sempre dentro de nós que até o que acontece aos outros adquire significado. Vemos e sentimos de acordo com as nossas próprias lentes e radares, com mais ou menos empatia. A ausência ou dor dos outros poderemos senti-la de forma mais ou menos en passant, enquanto os nossos sentimentos de ausência e de dor podem criar-nos um vazio não tão passageiro assim. É no entanto ao olhar a dor do outro que podemos re-dimensionar a nossa própria dor. Há momentos em que precisamos trazer das nossas profundezas essa coragem para nos mantermos à tona, evocar nessa nossa actualidade tudo o que de nós fez parte, o que constituiu e sedimentou a nossa personalidade, com vista a um novo renascimento. A vida por vezes agride-nos, mas também nos concede as ferramentas para rumar ao futuro. Cada superação é sempre uma grande vitória.
    Por falar em sapatos...não tenho muitos realmente, mas tenho uns pés muito delicados!...:-)
    Feliz 2014, Paulo!
    xx

    ResponderExcluir
  2. Laura Santos,

    Procuro nunca me emocionar muito.

    Mas desta vez, não consegui.

    Espero que Deus conserve sempre os seus pés.

    Delicados!

    Feliz tudo para você ,inclusive 2014.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  3. É Paulo, nossa dor dói na gente, e somente nós podemos saber a dimensão dela. Ultimamente ouço muito "se os outros superaram, você também tem que superar"... E eu sempre penso, nessa dor que o outro nao tem, apenas se comovem com a dor da gente, e cada um sente dor de uma maneira especifica.
    Verdade é que a dor dos outros nos constrange a repensarmos a nossa dor e dela extrairmos forças para continuarmos nosso caminho, arrastando, mancando, caindo e levantando. Contraditório sim, encontrarmos forças na dor do outro...
    Adorei o texto e nesse momento reflito sobre ele, pois enquanto lágrimas escorrem pela minha perda, sei que meus filhos me dao motivo pra sorrir.
    Uma beijoka doce e um ano abençoado por Deus em todas as coisas.

    ResponderExcluir
  4. MARLY,

    respeito sua dor, sua perda,nada pior, sabe. Não estamos formatados para aceitar as perdas, mas olhar para o horizonte e termos a certeza de quantos mais dependem da gente é uma motivação maior,uma incomum motivação para continuarmos e...sempre!

    Obrigado pela sua generosidade contumaz comigo, durante todo este ano e que o próximo, seja para você, a realização plena dos sonhos e desejos mais ardentes que você nutre.

    Vai dar tudo certo, você verá e no final de 2014, quero que você confirme isso.

    Saúde!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Paulo, como vai?
    Gostei muito do seu ponto de vista, que devemos sim olhar para frente, mas observando ao lado temos a chance de valorizar o que pode nos impulsionar na caminhada. É como olhar a grama do vizinho, só que sob um prisma contrário. Um abraço e super 2014 pra ti!

    ResponderExcluir
  6. BIA HAIN,

    e se você concorda, fico duplamente recompensado, por per escrito algo que é pertinente e você ter gostado.

    Afinal, ninguém escreve para si mesmo e você que também escreve , sabe disso.

    Obrigado por tudo,Bia e espero que em 2014, você possa encontrar todos os melhores caminhos, os quais você terá que por eles caminhar.

    E foi muita generosidade sua publicar meu link no seu blogue, desta postagem.

    Feliz tudo e muita saúde, o resto a gente conquista.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  7. Uma coisa aprendi na vida, minha dor é sentida, pq a estou vicenciando, mas penso que existem pessoas com dores muito mais lancinantes, mais crueis e muitos a suportam heroicamente, então tento parar de lastimar. Feliz 204 Paulo, um bj grande e obrigada por nos presentear durante todo o ano com texto maravilhosos.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado você, NÁDIA e que em 2014 você consiga realizar todos os seus objetivos.

    Sinceramente e um feliz tudo.

    Abração carioca.

    ResponderExcluir
  9. É verdade Paulo. Muitas vezes é exatamente o ponto crítico do próximo que nos torna o maior apredizado!

    É sempre um prazer te ler...
    Sempre serei sua admiradora!

    Desejo-te um fabuloso 2014 com sonhos bem sonhados e relizados.
    Tudo de bom pra você, família e todas as pessoas ao teu convívio.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  10. LU NOGFER,

    começar o ano com um comentário deste como o seu, é ter muito mais razões para acreditar que, neste ano, serei muito feliz.

    Obrigado por sua generosidade e, a admiração eu lhe asseguro é reciproca ,pois ,seu blog "Atitude" é minha referência constante.

    Estou sempre lá!

    Sua última postagem "Boas Festas" descreve exatamente, aquela sua generosidade, já destacada por mim.

    Um feliz tudo em 2014 LU, e ainda muita, saúde, saúde e saúde, pois o resto a gente conquista.

    Abração carioca e fique com DEUS!

    ResponderExcluir
  11. Olá, Paulo!

    De fato precisamos aprender a olhar mais para nós mesmos, porém sem egocentrismo e jamais deixando de lado o próximo, pois só assim enxergaremos os que estão a nossa volta de forma mais humana.

    Beijos e um 2014 de muita luz.

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NINA,

      o reflexo dos outros ou nos cega ou nos orienta.

      Gosto mais de ser orientado,procuro bons exemplos, ando atrás daquilo que para todos possa ser melhor, do que par um ou outro separadamente!

      Isso faz parte de mim!

      Um abração carioca .

      Excluir
  12. Me proporcionaste um belo momento de reflexão.
    Muito obrigada.
    Gosto muito deste 'sair do sério'.
    Ah, adorei as sapatilhas douradas!!!!

    abraço e o desejo de um inusitado 2014.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LOURAINI CHRISTMANN,

      que ótima noticia você me deu e quisera que sempre consiga estes momentos em você.

      Realmente as sapatilhas douradas da minha imaginação são bem reais nas mágicas bailarinas.

      Um abração carioca.

      Excluir
  13. Olá Paulo

    Nosso pescoço já deixa claro para onde devemos olhar, além de manter nosso olhar à frente, ele só gira para os lados.

    Que 2014 seja para você vibrante, alegre e realizador. Desejo muitas felicidades!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VAN,

      absolutamente verdadeiro, pois e concorda que já é muitos lugares para olhar?

      Um feliz tudo para você em 2014 e muita saúde, além daquele abração carioca.

      Excluir
  14. Sabe, às vezes ficamos tão ligados na nossa própria dor, lambendo as feridas, que esquecemos que há um mundo fora da gente, com outras pessoas que talvez estejam passando por situações mais conflitantes que a nossa. Às vezes somo tão egoístas que só olhamos o próprio umbigo.
    Abraço carioca, lady viana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LADY VIANA,

      pura verdade!

      Um abração carioca.

      Excluir